header print

As 6 piores epidemias que antecederam ao Covid-19

O Editor: Anna Davidson

 A atual epidemia do COVID-19 provocou um medo generalizado em todo o mundo e transformou a vida normal em "antes e depois". Muito está sendo dito e escrito sobre o novo coronavírus, e parece que ainda irá demorar um pouco antes que ele termine o seu ciclo, que pode ser fatal.

Ao longo da história da humanidade, as doenças infecciosas conseguiram espalhar seus tentáculos pelo mundo. Mesmo com todos os avanços científicos que fizemos na era moderna, ainda não conseguimos controlar tantos surtos como agora estamos vendo com o COVID-19, originário da China. Antes do novo coronavírus, no entanto, houve muitas epidemias catastróficas que alteraram o curso da história humana.

Aqui estão algumas das epidemias mais mortais da história e que deixaram uma impressão duradoura na humanidade.

 

1. Peste bubônica

6 epidemias mortais da nossa história peste bubônica
Fonte da imagem - Wikimedia Commons

Também conhecida como Peste Negra, a peste bubônica era uma doença catastroficamente mortal que se espalhou por toda a Europa entre os anos 1346-1352. A bactéria Yersinia pestis foi a responsável pela epidemia que começou na Ásia. A doença foi transmitida em todo o mundo por ratos infestados por pulgas infectadas. Quando chegou à Europa, a peste negra causou destruição generalizada: 60% da população de Florença morreu em poucos meses.

Os sintomas da peste bubônica eam bastante chocantes. Começava com febre e sudorese, mas o inchaço dos linfonodos ocorria rapidamente na região da virilha, axila ou pescoço. Além disso, a infecção se espalhava pelo sangue e pelas partículas transportadas pelo ar. A parte mais perigosa era que apenas 6 a 10 dias após ser afetado pela doença, 80% dos pacientes morriam.

A taxa de mortalidade por peste bubônica foi superior a 70% e matou até 200 milhões de pessoas em toda a Europa. Vários historiadores também acreditam que a propagação da peste negra levou ao colapso do sistema econômico feudal e causou danos irreparáveis ​​à igreja.

2. Praga de Justiniano
6 epidemias mortais da nossa história Praga de Justiniano
Fonte da imagem - Wikimedia Commons

Considerada a primeira pandemia registrada na história, a Peste de Justiniano se espalhou entre 541 e 542 EC e finalmente levou ao maior número de vidas perdidas em uma epidemia na história. As estimativas dizem que mais de 100 milhões de pessoas morreram durante esse período, o que era quase metade da população mundial na época.

A doença recebeu o nome de Justiniano, imperador do Império Bizantino (Império Romano do Oriente). O surto de peste se originou na Etiópia e se espalhou por todo o império muito rapidamente. Após a pandemia de 541, houve vários outros surtos da praga no 200 anos seguintes.

Tal como a peste bubônica, a peste de Justiniano também foi causada pela bactéria chamada Yersinia pestis espalhada por roedores cujas pulgas estavam infectadas com a bactéria. Aparentemente, esses ratos viajaram ao redor do mundo em navios comerciais, e foi assim que eles conseguiram circular a infecção, que era transmitida aos seres humanos através da picada de uma pulga infectada.

3. HIV / AIDS

6 epidemias mortais da nossa história HIV-AIDS

Desde que foi relatado pela primeira vez em 1981 (embora a doença tenha se originado décadas antes), o HIV, o vírus que causa a "síndrome da imunodeficiência adquirida" (AIDS), foi classificado como um dos problemas de saúde mais graves do mundo. Cerca de 75 milhões de pessoas em todo o planeta contraíram o HIV desde então e, até agora, o vírus matou aproximadamente 39 milhões de pessoas.

Segundo os cientistas, o vírus, também conhecido como vírus da imunodeficiência humana, passou de primatas para humanos na África durante a primeira parte do século XX. A epidemia de HIV e AIDS causou doenças, medo e morte quando o mundo lidou com esse vírus desconhecido e mortal. Inicialmente, a doença estava associada a homens gays e era chamada de "imunodeficiência relacionada a gays" (GRID, em inglês), que causava um imenro e injustificado estigma.

O vírus ataca o sistema imunológico, particularmente as células CD4 (ou células T), e é transmitido por todos os fluidos corporais, como sangue, sêmen, fluidos vaginais, fluidos anais e leite materno. Historicamente, sabe-se que o HIV se espalhou através do sexo desprotegido, da troca de agulhas pelo uso de drogas e do parto.

Houve um desenvolvimento maciço de tratamentos contra o HIV nos últimos anos e o ritmo se acelerou em termos de redução de novas infecções pelo vírus. No entanto, atualmente existem mais de 38 milhões de pessoas infectadas com HIV / AIDS no mundo inteiro.

 

4. Malária

6 epidemias mortais da nossa história Malária

Uma doença transmitida por mosquitos, a malária é transmitida pela picada de um mosquito Anopheles infectado que carrega o parasita Plasmodium. O parasita é liberado na corrente sanguínea quando o mosquito o morde e deixa os infectados com sintomas semelhantes aos da gripe.

Os seres humanos sofrem de malária há milhares de anos, e a doença até deixou sua marca genética nas populações modernas. Variações genéticas como talassemia, deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase, anemia falciforme, antígeno Duffin e várias outras condições são devidas à malária. Sabe-se também que a doença foi a possível causa da morte de Alexandre, o Grande.

A malária já foi uma endemia grave na Europa, mas foi erradicada durante o século XX. Continua sendo um grande problema na África Subsaariana, onde ocorre um grande número de mortes devido a esse mal. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a malária continua a ser mais forte ameaça contra mulheres grávidas e crianças pequenas na África. Especialistas acreditam que a redução de casos e mortes entre essas duas populações proporcionaria um grande impulso na luta contra a malária.

Embora milhões de pessoas ainda sofram de malária a cada ano, foram feitos progressos notáveis. Em 2019, a Argélia recebeu uma certificação oficial da OMS de eliminação da doença, e a Argentina também foi certificada como livre de malária. Mais e mais países estão relatando zero casos de malária humana a cada ano, o que é um passo positivo em direção a um mundo livre desse terrível mal.

 

5. Vírus do Ebola

6 epidemias mortais da nossa história Ebola vírus
Fonte da imagem - Wikimedia Commons

Antes do COVID-19, o Ebola era a epidemia mais recente a atingir a humanidade e, ainda hoje, sua memória causa arrepios em todo o mundo. Descoberto na África no final dos anos 70, o Ebola é a abreviação de Febre Hemorrágica do Ebola (EHF). Este vírus causa sangramento extremo em humanos e outros primatas e já matou mais de 2.200 pessoas até agora. A parte aterradora da doença é que pode levar vários dias ou semanas para que seus sintomas se desenvolvam. Dor de garganta, dores musculares, vômitos, diarréia e eventual sangramento interno e externo são alguns dos sintomas comuns. Sua origem é atribuída ao morcego-da-fruta, que carrega o vírus sem sem afetado.

A epidemia se originou na África Ocidental, mas logo se espalhou para lugares como Estados Unidos, Espanha e Alemanha. O ebola tem uma alta taxa de mortalidade e é conhecido por matar quase metade das pessoas que infecta. Embora tenha sido descoberto pela primeira vez na década de 1970, o surto mais grave de Ebola ocorreu em 2014 na África Ocidental. Mais tarde classificada como epidemia de Ebola na África Ocidental, matou cinco vezes mais pessoas do que todos os seus surtos anteriores juntos. Demorou cerca de 2 anos para ser vencida, mas sua disseminação e suas conseqüências abalaram o mundo.

6. Influenza ou Gripe Espanhola

6 epidemias mortais da nossa história Influenza ou gripe espanhola
Fonte da imagem- Wikimedia Commons

A pandemia de gripe de 1918, também chamada de Gripe Espanhola, foi um dos patógenos mais mortais do século XX. Mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo foram afetadas durante as três ondas desta epidemia. Ela ganhou seu apelido porque a Espanha foi uma das regiões mais afetadas pelo mal. De fato, até o rei Alfonso XIII da Espanha o contraiu.

Inicialmente, a gripe foi observada na Europa, nos Estados Unidos e em partes da Ásia antes de se espalhar para diferentes partes do mundo. Durante esse período, não houve vacina ou medicamento eficaz para tratar esta gripe mortal, que resultou no fechamento total das cidades.
Essa terrível gripe devastou muitas regiões, mas teve o efeito mais perceptível nos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial. Muitos jovens foram afetados por ela no auge, e os registros sugerem que a influenza acabou matando 675.000 americanos. A pandemia de gripe finalmente chegou ao fim no verão de 1919, quando os infectados morreram ou desenvolveram imunidade.

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade