header print

O que se sabe do novo medicamento para tratar a Covid-19?

O Editor: Anna D.

 Ainda não existe cura ou vacina contra o COVID-19, mas como cientistas e especialistas em saúde correm para encontrar uma solução para a pandemia, há um medicamento antiviral que chamou muita atenção nos últimos dias. É provável que você tenha ouvido o nome Remdesivir. O Remdesivir é fabricado pela empresa americana de biotecnologia Gilead Sciences. Foi originalmente desenvolvido em 2015 para combater o Ebola, mas infelizmente foi considerado ineficaz e posteriormente arquivado. Apesar dessa falha inicial, o Remdesivir mostrou-se mais eficaz contra SARS e MERS, e agora está sendo testado em novos ensaios clínicos como um tratamento potencial para o Covid-19.

Os primeiros resultados de um estudo em nível nacional nos Estados Unidos divulgados na recentemente indicam que o Remdesivir acelera a recuperação de pacientes com Covid-19. O fato provocou uma onda de otimismo cauteloso nas autoridades de saúde.
Aqui está uma visão geral de tudo o que se sabe sobre o Remdesivir e como ele funciona.

Como o Remdesivir age no organismo

O que se sabe do medicamento para tratar Covid-19 Remdesivir flask

Quando o coronavírus infecta uma de nossas células, ele se replica várias vezes e, assim, espalha a infecção por todo o corpo. É por isso que o COVID-19 pode começar com uma mera dor de garganta e acabar nos pulmões. Quanto mais um vírus se replica, pior o dano da infecção.

O que o Remdesivir faz é impedir que o vírus faça cópias de si mesmo, atacando diretamente seu RNA e a enzima específica que permite a replicação do vírus. "Você diminui o grau de infecção para que o sistema imunológico possa combatê-la. É como tirar o combustível do fogo”, de acordo com uma explicação dada ao USA Today pelo Dr. John Scott, presidente do departamento de farmacologia da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington.

 

A reação dos pacientes da Covid-19 ao Remdesivir

O que se sabe do medicamento para tratar Covid-19 paciente
Inicialmente, o Remdesivir foi descartado como tratamento paliativo de último recurso para pacientes com casos graves de Covid-19. O primeiro caso relatado da doença nos EUA foi de um homem de 35 anos que havia retornado de uma visita a Wuhan, na China, no início de janeiro. Seis dias após sua internação no hospital, seus sintomas pioraram significativamente e ele desenvolveu uma pneumonia grave que exigia oxigênio suplementar para sobreviver. Eventualmente, o médico que o tratava recebeu permissão para tentar tratamento compassivo com Remdesivir e, apenas em um dia, uma melhora drástica foi registrada na condição do paciente.
Um hospital de Chicago está realizando um teste clínico acompanhado de perto, testando o Remdesivir em pacientes graves com COVID-19 e relatando resultados promissores - “recuperações rápidas de febre e sintomas respiratórios, em quase todos os pacientes, que recebem alta em menos de uma semana”, de acordo com a Stat News .
 

E, finalmente, os primeiros resultados do estudo nacional revelaram que o medicamento experimental reduziu a extensão das doenças dos pacientes em cerca de 31%, em comparação com aqueles que tomaram um placebo. Além disso, os pacientes tratados com Remdesivir levaram 11 dias em média para se recuperar, enquanto aqueles que não receberam o medicamento precisaram de 15 dias para recuperar sua saúde. Reduzir a permanência hospitalar do paciente em 4 dias é uma conquista significativa, pois todos os dias os cuidados intensivos contam, de acordo com Aruna Subramanian, professora clínica de doenças infecciosas e principal pesquisadora dos ensaios de Gilead em Stanford.
O próprio Dr. Anthony Fauci (Diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas) até comparou a descoberta do Remdesivir à do AZT, a medicação que se mostrou crucial no tratamento da AIDS. “Quando eu estava analisando esses dados com nossa equipe na outra noite, lembrava 34 anos atrás, em 1986, quando estávamos lutando por drogas para o HIV e não tínhamos nada”, disse Fauci.

Estudos mais aprofundados devem ser efetuados

O que se sabe do medicamento para tratar Covid-19 tubos de testagem
Embora este seja um avanço potencialmente positivo, é importante ressaltar que o Remdesivir é um tratamento, não uma cura. Não há cura conhecida para nenhum coronavírus - nem COVID-19, nem SARS ou MERS, nem os outros quatro coronavírus que causam o resfriado comum.
Em vez disso, o Remdesivir pode ser usado como terapia coadjuvante para ajudar pacientes graves a se recuperarem mais rapidamente, diminuir sua permanência no hospital e minimizar sua dependência de ventiladores e suprimentos de oxigênio. "O Remdesivir não é uma bala mágica", disse Michele Barry, especialista em doenças infecciosas em Stanford, ao New York Times.
Além disso, pesquisas adicionais são urgentemente necessárias. Especialistas apontaram que tirar conclusões nesta fase é prematuro, pois o escopo da pesquisa existente não é amplo o suficiente e não é consistente. Os ensaios clínicos já estão em andamento na China. No entanto, os resultados ainda não foram publicados.
Eventualmente, os pesquisadores também precisarão analisar os dados e mapear a melhor maneira de usar o Remdeseivir, a fim de descobrir quando é melhor iniciar o tratamento, quais grupos de pacientes podem estar em pior situação sem tratamento e onde o medicamento pode produzir o maior impacto.

Embora qualquer avanço na luta contra o COVID-19 seja motivo de esperança e nos deixe animados, parece que precisamos manter nossa paciência e acompanhar os desenvolvimentos futuros.
Cuide-se bem.
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade