header print

Omicron: Precisaremos de doses de reforço de vacina?

O Editor: Anna D.
 A descoberta da variante Omicron levantou muitas preocupações em todo o mundo. Parecia que estávamos deixando para trás o pior da pandemia COVID-19, mas essa nova variante colocou as coisas em risco novamente, pois se espalhou rapidamente em 34 países do mundo. Detectada pela primeira vez na África do Sul no mês passado, a nova variante é agora chamada de "mais preocupante" desde a variante Delta.
Os cientistas ainda estão estudando as características dessa variante recém-identificada do COVID-19, e pode levar algumas semanas até que tenhamos uma imagem clara. Ainda assim, as primeiras evidências sugerem que a Omicron tem um risco aumentado de reinfecção em comparação com outras variantes altamente transmissíveis.
Doses de reforço, Covid-19, Omicron
Outro dado preocupante em relação à variante Omicron é que possui mais de 30 mutações nas partes do vírus visadas pelas vacinas existentes, o que pode reduzir a eficácia das vacinas. Atualmente, estudos estão sendo conduzidos para determinar a eficácia dos anticorpos na neutralização da nova variante.
A BioNTech e a Pfizer disseram recentemente em um comunicado à imprensa que um curso de três doses de sua vacina COVID-19 mostrou a capacidade de neutralizar a nova variante Omicron em um teste laboratorial preliminar.
Neste ponto, não há dados significativos para saber como as vacinas da Moderna (MRNA.O), Johnson & Johnson (JNJ.N) e outros fabricantes de medicamentos funcionam contra a Omicron, mas devemos obter algumas atualizações deles dentro de alguns dias.
A boa notícia é que, até o momento, nenhum sintoma grave ou fatal foi registrado com a variante Omicron. Mas ainda existe a preocupação de que ele possa quebrar a força protetora dos anticorpos e a imunidade coletiva da vacina COVID-19. Portanto, a questão é - a variante ainda pode causar danos a pessoas totalmente vacinadas?
O relatório da Pfizer parece ser um sinal inicial de que as doses de reforço podem ser a chave para a proteção contra a infecção da Omicron e outras variantes preocupantes.
 

Por que você precisa de doses de reforço contra COVID-19?

Doses de reforço, Covid-19, Omicron
Injeções de reforço ontra cCOVID-19 não são uma ideia nova. Mesmo quando as vacinas COVID-19 foram autorizadas pela primeira vez, a maioria dos cientistas recomendou que recebêssemos pelo menos uma injeção adicional, conhecida como estratégia de reforço inicial, para completar a dose primária. Isso foi dito apesar da excelente eficácia inicial das vacinas, porque os níveis de anticorpos das vacinas tendem a diminuir após vários meses. Além disso, este tipo de reforço é necessário para muitas vacinas de doenças infecciosas a fim de efetuar uma imunidade de longa duração.
Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) já haviam aconselhado todos os indivíduos vacinados com 18 anos ou mais a receber uma dose de reforço para proteção adicional. Essa recomendação agora foi reafirmada com o surgimento da variante Omicron.
Até agora, dados concretos de Israel e do Reino Unido sugerem que os reforços das vacinas baseadas em mRNA ajudam a reduzir o risco de uma pessoa pegar SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19. Além disso, a contagem diária de casos permanece baixa em Israel, que se tornou o primeiro país do mundo a disponibilizar reforços para todos. Isso indica que as doses de reforço podem ajudar a impedir a propagação da pandemia.
Além disso, um estudo publicado no The Lancet, que avaliou injeções de reforço em cerca de 2.900 pessoas no Reino Unido, mostrou que a maioria dos reforços de COVID-19 fortalece a imunidade. Os participantes do ensaio clínico tinham mais de 30 anos de idade, nunca testaram positivo para o coronavírus e foram totalmente vacinados com a vacina Astra Zeneca ou com a injeção de Comirnaty, BioNTech e Pfizer.
Os autores do estudo recomendaram que os comitês nacionais de imunização “estabeleçam critérios para escolher quais vacinas de reforço usar em suas populações”.

Será que agora vamos precisar de doses de reforço contra COVID regularmente?

Doses de reforço, Covid-19, Omicron
Se precisaríamos de reforços regulares ou não, ainda veremos, pois ainda estamos aprendendo à medida que avançamos pela pandemia. Mas os especialistas sugerem que provavelmente precisaremos de doses de reforço em algum momento. Também existe a possibilidade de que os reforços contra COVID-19 sejam administrados anualmente, de forma semelhante às vacinas contra a gripe.
Atualmente, os especialistas dizem que essas são as pessoas que podem precisar de uma dose de reforço mais cedo do que outras:
* Pessoas com mais de 65 anos.
* Pacientes diabéticos e pacientes com doenças renais e hepáticas crônicas.
* Pessoas com maior probabilidade de entrar em contato com os pacientes, por ex. profissionais de saúde.
* Pessoas com doenças malignas e aqueles que estão em radioterapia ou quimioterapia.
Basicamente, aqueles que têm respostas imunológicas fracas devem considerar a ingestão de uma dose adicional, porque sua imunidade induzida pela vacina provavelmente diminuirá mais rapidamente, dizem os cientistas.
O importante é que, até agora, não foi observada nenhuma redução na eficácia dos reforços. Portanto, pode ser crucial que outros países comecem a implementar a estratégia de dose de reforço para conter a pandemia e ficar à frente da ameaça de variantes emergentes.
Compartilhe esta informação com todos os seus entes queridos.
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade