header print

Organize-se e Evite Excesso de Trabalho

O Editor: Laura Dias
 Você acorda cedo tentando fugir do trânsito, trabalhando em média 9 horas por dia. Você chega em casa cansado, mas não pode descansar porque há tarefas para fazer em casa. Ok, você conseguiu terminar tudo que precisava fazer. Você está exausto, mas ainda quer assistir ao seu programa favorito, ver o que está acontecendo on-line ou talvez dar uma volta na cidade e encontrar alguns amigos. Quando você finalmente está na cama e dormindo, tem cerca de cinco horas de sono e volta à mesma rotina diária. Tudo bem, porém, você vai recuperar todas essas horas de sono perdidas no fim de semana, não vai?
 
Não, não está tudo bem, porque o sono não funciona assim. As horas de sono que você perder durante a semana não podem ser compensadas dormindo até mais tarde. Nas últimas quatro décadas, as pessoas têm dormido diariamente menos do que as 7-9 horas recomendadas para um adulto de até 64 anos.
 
planejamento semanal

Um novo estudo analisou as consequências desse ciclo esparso e a efetividade da recuperação do sono no final de semana. Para o propósito do teste, um grupo de jovens adultos foi designado para três grupos: um grupo de controle com 9 horas de sono, um grupo com 5 horas de sono durante toda a semana e um terceiro grupo com 5 horas de sono, com compensação do sono no fim de semana.

Em ambos os grupos privados de sono, os pesquisadores descobriram uma tendência crescente ao lanche noturno, especialmente para ingestão de alimentos com pouco carboidrato que geram um aumento de energia a curto prazo. Ambos os grupos demonstraram ganho de peso e diminuição da sensibilidade à insulina, o que pode desencadear diabetes se não tratada. O grupo que dormiu no fim de semana sofreu pequenas melhorias durante o final de semana (e somente naqueles dias), mas ainda estava muito atrás daqueles que dormiam diariamente a quantidade recomendada de horas.

Então, por que fazemos isso com nossos corpos?

Em sua autobiografia (publicada postumamente em 1791), Benjamin Franklin escreveu estas palavras sobre o sono: “haverá bastante sono na sepultura”. Franklin acreditava firmemente na diligência e achava que qualquer hora que passasse despercebida com algo útil era uma hora desperdiçada. Sua ética de trabalho tornou-se uma lenda, um marco do excepcionalismo americano, mas seu desdém por uma boa noite de sono não foi muito criticado.

planejamento semanal

Quando Robert Owen, ativista dos direitos trabalhistas de Gales disse: “oito horas de trabalho, oito horas de recreação, oito horas de descanso” que certamente melhorou o cronograma de trabalho dos funcionários da indústria no início do século 19, que trabalhavam regularmente em turnos de 12 horas sem férias.

Mas mesmo se assumíssemos que 40 horas de trabalho semanalmente são a quantidade certa em termos de equilíbrio entre produtividade, descanso e recreação (considere o fato de que muitas de nossas horas supostamente recreativas são gastas no que significa trabalho não remunerado fazendo tarefas), de acordo com uma pesquisa Gallup de 2014, o americano médio trabalha 47 horas por semana, com até 39% relatando trabalhar de 50 a 60 horas por semana! Isso muitas vezes não é uma questão de escolha, já que muitos empregadores parecem esperar que os trabalhadores trabalhem mais horas do que o necessário.

Além de uma tendência ao excesso de trabalho, surge uma doença mais moderna: o medo de perder (ou FOMO), uma ansiedade social caracterizada por um desejo constante de estar conectado e saber o que os outros estão fazendo, bem como uma preocupação que você está perdendo uma oportunidade (não necessariamente financeira, como uma oportunidade para uma interação social também).

Foi identificado, pela primeira vez, por um estrategista de marketing em meados dos anos 90 e só se tornou mais difundido à medida que a mídia social se tornou mais comum e facilmente acessível por meio de telefones celulares. Nos últimos anos, ela só piorou, pois as pessoas sentem uma constante convulsão social que só pode ser aliviada com a captura do smartphone e a navegação pelo Twitter, Instagram ou Facebook.

O resultado final é que uma grande quantidade de pessoas trabalha bem mais de 8 horas por dia, tentando prolongar o tempo de recreação o máximo possível às custas de valiosas horas de sono, levando a uma infinidade de problemas de saúde, um ciclo que não será quebrado, a menos que repensemos nossa agenda semanal de uma maneira importante.

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade