header print

Dormir Demais Pode Prejudicar Sua Saúde

 Sabemos, por meio de confirmação de pesquisas de estudiosos, que há uma ligação entre a privação do sono e um aumento do risco de demência. Agora, um estudo japonês descobriu que o oposto também pode ser verdade, significando que dormir por muito tempo também pode aumentar o risco de demência, declínio cognitivo ou até mesmo uma morte prematura.
 
gosta de dormir

Pesquisadores da Universidade de Kyushu registraram os hábitos de sono de 1.517 adultos com mais de 60 anos por um período de mais de dez anos. Nenhum dos voluntários tinha qualquer indicação de comprometimento cognitivo antes do início do estudo.

A equipe descobriu que as pessoas que dormiam por 10 ou mais horas por dia mais do que dobravam o risco de demência ou morte prematura, em comparação com aquelas que dormiam entre cinco e sete horas por dia. Eles também descobriram que esse aumento do risco é aproximadamente igual àquelas pessoas que dormiam menos de 5 horas por noite.

Enquanto os pesquisadores descobriram que os resultados foram os mesmos para participantes de todas as idades e gêneros, eles não puderam determinar o que exatamente causou o aumento do risco. No entanto, seus resultados parecem apontar para duas possibilidades distintas que merecem mais pesquisas.

 

gosta de dormir

A má qualidade do sono, segundo os pesquisadores, pode fazer com que uma proteína chamada amiloide se acumule no cérebro, e esta é uma das substâncias químicas mais comumente associadas ao desenvolvimento da doença de Alzheimer. Isso ocorre porque o sono é uma das principais maneiras que a amiloide é removida do corpo.

A equipe também descobriu que os distúrbios do sono podem causar inflamação de baixo grau no cérebro, e isso é algo que está relacionado a diabetes, depressão, câncer e outros problemas. Estes, por sua vez, são todos fatores de risco comprovados para demência ou uma expectativa de vida reduzida, e todos esses riscos se tornam mais graves à medida que você envelhece.

gosta de dormir

De acordo com a pesquisadora do sono geriátrico Constance Fung, professora associada de medicina da Escola de Medicina David Geffen, na Universidade daq California,  é mais provável que experimentem distúrbios em seus padrões de sono à medida que envelhecem. O envelhecimento frequentemente também causa alterações no sistema circadiano do corpo, também conhecido como relógio biológico, contribuindo assim para a perda de memória.

Há também outros estudos disponíveis que descobriram ligações entre demência e dormir pouquíssimo ou muito. Um estudo descobriu que dormir por mais de 9 horas por noite pode ser um sinal precoce de Alzheimer ou demência. De acordo com Fung, uma explicação pode ser a de que a inflamação, uma parte essencial da demência, leva a um aumento da sonolência e ao sono por mais tempo.

gosta de dormir

Embora o estudo japonês discutido acima não tenha estabelecido por que o excesso de sono está ligado a um risco aumentado de demência e morte prematura, a equipe sugeriu algumas mudanças no estilo de vida que poderiam ser úteis para minimizar o perigo.

Antes de mais nada, você precisa praticar exercícios regularmente. De acordo com as conclusões do estudo, um baixo nível de atividade física está ligado a um aumento do risco de morte prematura e declínio cognitivo, tanto entre aqueles que dormem muito pouco, quanto para aqueles que dormem demais.

Altos níveis de esforço físico também diminuíram os riscos de morte precoce e demência entre aqueles que dormiam menos de 5 horas por noite. No entanto, entre aqueles que dormiram mais de dez horas, o esforço físico elevado não diminuiu o risco de demência, embora parecesse eliminar o risco elevado de uma morte prematura.

gosta de dormir

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, devemos praticar pelo menos 150 minutos de exercícios moderados por semana. Exemplos de atividades adequadas incluem ciclismo, caminhada rápida, jardinagem, hidroginástica ou até dança de salão.

Outra mudança recomendada pelos autores do estudo japonês é remédio para dormir como um recurso final. Isso porque eles descobriram que os participantes que fizeram uso deles eram 66% mais propensos a desenvolver demência, e 83% mais propensos a morrer cedo em comparação com aqueles participantes que não o fizeram, independentemente da quantidade de sono que tinham a cada noite.

Para tentar dormir de 5 a 8 horas por noite sem recorrer a medicamentos, a maioria dos profissionais recomenda manter uma rotina de sono, como ir para a cama e acordar na mesma hora todos os dias. A Associação Americana do Sono também recomenda evitar cochilos e se exercitar regularmente antes das 14h.
 

Fonte do conteúdo

Imagens

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade