header print

Alerta: Risco de Surto de Dengue, Zika e Chikungunya

 Com a chegada do calor intenso, as campanhas de combate ao mosquito Aedes aegypti se intensificam no Brasil. A reprodução do mosquito pode acontecer em qualquer recipiente usado para o armazenamento de água, mesmo que a água esteja sob muito sol. 

Segundo um levantamento do LIRAa (Levantamento Rápido de Índices Para Aedes aegypti), 504 municípios brasileiros já apresentam alto índice de infestação do mosquito, sendo um risco de surto para doenças como dengue, Zika e Chikungunya. Somente em São Paulo, 250 cidades estão sob alerta ou em risco de surto. 

 
dengue, Zika e Chikungunya

O Ministério da Saúde considera que um município está em alerta quando o IIP (Índice de Infestação Predial) está entre 1% e 3,9%. Se este número passa de 4%, é considerado risco de surto.

No total, 5.358 municípios do país (96,2% do total) passaram por monitoramento do mosquito. Além das cidades em situação de risco, o LIRAa identificou 1.881 municípios em estado de alerta e 2.628 municípios com índices satisfatórios. 

Como o Aedes aegypti se desenvolve?

O ciclo do Aedes Aegypti tem, basicamente, quatro fases: ovo, larva, pupa e adulto. As larvas podem se desenvolver em água parada limpa ou suja. A transmissão da doença ocorre justamente na fase do acasalamento, que é quando as fêmeas precisam de sangue para garantir o desenvolvimento dos ovos. 

Os ovos são depositados em criadouros versáteis, além de serem muito resistentes – o que torna o controle mais difícil. Eles podem sobreviver vários meses sem a chegada de água propícia para a incubação. Uma vez imersos, os ovos se desenvolverão rapidamente em larvas, que darão origem às pupas, das quais surgem o mosquito adulto. Além da dengue, Zika e Chikungunya, o Aedes aegypti também transmite febre amarela.

Cidades com riscos de surto

Se você mora em alguma dessas cidades, o cuidado precisa ser redobrado, pois encontram-se sob risco de surto: Palmas (TO), Boa Vista (RR), Cuiabá (MT) e Rio Branco (AC) estão em risco de surto de dengue, Zika e Chikungunya, pois os índices IIP estão iguais ou superiores a 4%.

Se você mora em outro estado, o cuidado deve ser o mesmo, pois mesmo que os índices estejam satisfatórios, é preciso combater todos os focos possíveis. Na região Sudeste, o maior número de depósitos encontrado foi em casas, como vasos de planta, garrafas e pratos. No Centro-Oeste, Sul e Norte, o lixo, recipientes de plástico, entulhos e garrafas foram os focos predominantes. Já no Nordeste, o armazenamento de água no nível do solo, como barris, tinas e tonéis foram o principal tipo de criadouro.

dengue, Zika e Chikungunya

Como combater o mosquito

Combater o mosquito Aedes aegypti é um trabalho de toda a comunidade, começando por sua casa. Mobilize sua família e vizinhos, pois a dengue e Chikungunya podem ser fatais, e a Zika está ligada à microcefalia em fetos. Siga alguma das dicas a seguir e não deixe de conferir o bônus no final do artigo.

Prevenção:

• Utilize telas em janelas e portas;
• Tente usar roupas compridas e, se vestir roupas que exponham o corpo, use repelente;
• Procure ficar em locais protegidos com telas, mosquiteiros e outras barreiras disponíveis. 

Cuidados dentro das casas:

• Deixe garrafas sempre viradas com a boca para baixo;
• Mantenha tonéis e caixas d’água tampados;
• Mantenha as calhas sempre limpas;
• Deixe ralos limpos e com aplicação de tela;
• Limpe semanalmente ou preencha pratos de vasos de plantas com areia;
• Mantenha lixeiras bem tampadas;
• Limpe com escova ou esponja os potes de água para animais;
• Retire água acumulada na área de serviço, atrás da máquina de lavar roupa.

dengue, Zika e Chikungunya

Cuidados em áreas externas

• Limpe os ralos e canaletas;
• Deixe as lonas para cobrir objetos bem esticadas para evitar acúmulo de água;
• Cubra e faça manutenção periódica de áreas de piscinas e hidromassagem;
• Adicione areia nos pratinhos de vasos de plantas;
• Atenção com bromélia, babosa e outras plantas que podem acumular água;
• Verifique instalações de salão de festas, banheiros e copa.

BÔNUS: Aprenda a preparar um repelente caseiro e eficiente

Álcool, cravo-da-índia e óleo corporal é tudo o que você precisa para criar um repelente supereficiente contra o Aedes aegypti, transmissor da dengue, Zika vírus, Chikungunya e febre amarela. Basta clicar aqui para aprender como prepará-lo!

Lembre-se de compartilhar este artigo com seus amigos e familiares para que eles se previnam também!

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade