header print

O que sabemos sobre a variante Omicron até agora?

O Editor: Anna D.
 Uma nova variante do coronavírus que se espalha a uma taxa alarmante já começou a causar estragos em algumas partes do mundo. Segundo os cientistas, essa nova variante, batizada de Omicron, é a "mais preocupante" desde a variante Delta, que acabou provocando ondas implacáveis de infecções em todos os continentes há apenas alguns meses.
O surgimento da nova variante gerou preocupação em todo o mundo, mas não se sabe muito sobre ela, o que gerou muita confusão e medo. Aqui está o que cientistas e funcionários sabem sobre a cepa Omicron até agora.

O que se sabe sobre a variante Omicron?

Variante Omicron
Uma das coisas mais preocupantes sobre o coronavírus é que ele está em constante mutação. Novas variantes do vírus surgiram no último ano e meio, e mais novas cepas podem aparecer no futuro.
Após um breve intervalo dos danos causados ​​pela variante Delta, a Omicron foi declarado como a última variante de preocupação pela Organização Mundial da Saúde (OMS) devido ao seu alto número de mutações.
De acordo com a declaração oficial da OMS, “Com base nas evidências apresentadas indicativas de uma alteração prejudicial na epidemiologia do COVID-19, o TAG-VE informou à OMS que esta variante deve ser designada como Variant Of Concern (variante preocupante, em inglês), e a OMS designou B.1.1.529 como uma VOC, denominada Omicron.”
A primeira amostra da variante foi coletada em Botswana em 11 de novembro de 2021. Também foi associada a um novo surto de infecções em partes da África do Sul. Até agora, o Omicron foi relatado em viajantes para a Bélgica, Hong Kong e Israel, além da África do Sul. Outras variantes preocupantes, incluindo Beta, também foram detectadas pela primeira vez na África do Sul.

O que dizem os cientistas?

Até agora, a variante Delta permanece dominante em todo o mundo, respondendo por mais de 99% dos casos COVID nos Estados Unidos. Ainda não está claro se z Omicron substituirá a Delta, mas os cientistas dizem que levará algumas semanas antes que possam definir claramente o tipo de doença que essa variante causa e entender o quão contagiosa ela é. Tal como acontece com outras variantes, algumas pessoas infectadas não apresentam sintomas. As evidências iniciais, no entanto, sugerem que a Omicron tem um risco aumentado de reinfecção em comparação com outras variantes altamente transmissíveis. Isso significa que as pessoas que tiveram COVID-19 e se recuperaram dela podem correr o risco de pegá-la novamente. 
 

As vacinas existentes funcionarão contra essa nova cepa?

Variante Omicron
Agora, a maior questão na mente de todos é se a proteção das vacinas COVID-19 atuais se manterá contra a variante Omicron. Além disso, as pessoas previamente infectadas com o coronavírus estarão imunes à reinfecção com a nova variante?
Embora os cientistas ainda não tenham respostas claras para essas perguntas, eles disseram que a variante Omicron tem mais de 30 mutações na parte do vírus que as vacinas existentes visam - mais do que o dobro do número transportado pela Delta. Isso pode reduzir a eficiência da vacina, dizem eles. No entanto, essas são todas previsões teóricas e estudos estão sendo realizados rapidamente para determinar a eficácia com que os anticorpos neutralizam a nova variante. Os especialistas médicos não esperam que a Omicron seja totalmente irreconhecível para os anticorpos existentes.

Que efeitos colaterais a nova variante causa?

Variante Omicron
Até esta altura, não há informações disponíveis sobre a gravidade das infecções que a nova variante causa ou se isso leva a uma mudança nos sintomas de COVID. Levará várias semanas até que dados claros estejam disponíveis para determinar esse aspecto.
Embora se acredite que a variante Omicron seja mais transmissível e resistente a vacinas do que outras variantes, não temos certeza de nada no momento. Lembre-se, porém, de que as vacinas foram ajustadas no passado, quando as variantes Beta e Delta surgiram. É muito provável que as equipes de pesquisa por trás das vacinas já tenham trabalhado na criação de versões melhores. "Temos todas essas ferramentas que funcionarão contra qualquer variante", disse o Dr. Eric Topol, diretor do Scripps Research Translational Institute em La Jolla, Califórnia.
Portanto, se necessário, as vacinas existentes podem ser atualizadas para lidar com a variante Omicron. No entanto, isso exigiria vários ensaios e pode levar de quatro a seis meses para que as vacinas atualizadas estejam amplamente disponíveis.

Vai se espalhar por todo o mundo?

Até agora, o número de casos confirmados da variante Omicron foi principalmente na África do Sul. Alguns casos também foram relatados em Botswana e Hong Kong, junto com um único caso em Israel. Dado que esta nova variante provou ser altamente transmissível, é provável que tenha se espalhado para outros países sem ser detectada.
Especialistas em saúde alertam que não há razão para reagir de forma exagerada ou pânico com essa nova variante, já que suas principais características e ameaças potenciais ainda estão sob investigação. Todos os especialistas continuam a enfatizar que a vacinação continua sendo extremamente importante, já que todos os dados em tempo real sugerem que ela protege contra hospitalização e morte. Além disso, também reduz consideravelmente a pressão sobre os sistemas de saúde. No mínimo, o surgimento da nova variante indica que a pandemia de COVID-19 talvez não acabe até que alcancemos altas taxas de vacinação global.
Compartilhe essas informações com amigos e familiares...
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade