header print

O Editor: Anna D.

 Mesmo que você não saiba nada sobre a franquia Star Wars, certamente já ouviu a linha icônica do filme The Empire Strikes Back (O Império Contra-Ataca), de 1980, quando Darth Vader revela sua identidade a Luke Skywalker dizendo “Luke, eu sou seu pai”. Mas e se dissermos que essa frase nunca foi pronunciada no filme? Você não está confundindo tudo. Mesmo os fãs mais dedicados de Star Wars citam esse momento quintessencial do filme. O que Darth Vader realmente disse, entretanto, foi “Não, eu sou seu pai”.

Como é possível que tantas pessoas compartilhem a mesma memória falsa? Esse fenômeno é chamado de Efeito Mandela - quando um grande grupo de pessoas acredita que um evento ocorreu quando, na realidade, não ocorreu. A falsa memória coletiva não é incomum; na verdade, há exemplos abundantes do efeito Mandela ocorrendo na cultura popular. Neste artigo, vamos explorar por que isso acontece e compartilhar alguns dos exemplos mais comuns de eventos que as pessoas (talvez até você!) Juram que são verdadeiros, mas são na verdade um produto do cérebro pregando peças nelas.

Como ocorre o efeito Mandela

Teóricos da conspiração acreditam que o efeito Mandela é a prova da existência de universos alternativos. No entanto, os médicos têm explicações ligeiramente diferentes para a formação de memórias falsas coletivas tão vívidas.

O efeito Mandela: memórias coletivas falsas


Um mecanismo subjacente ao cérebro humano que forma falsas memórias é a fabulação. Uma pessoa pode criar uma falsa memória sem a intenção de mentir ou enganar os outros, mas sim na tentativa de preencher lacunas em sua própria memória. “Quando você se lembra de um evento, você usa memórias em torno dele, pegando elementos ou pedaços de outros eventos e ajustando-os onde fazem sentido”, diz Gene Brewer, Ph.D., professor associado de psicologia cognitiva na Arizona State University. Muitos exemplos do efeito Mandela estão próximos de memórias reais, mas os detalhes originais foram alterados para o que as pessoas acreditam que se lembram. A fabulação tende a aumentar com a idade. 

Outra explicação é o priming. Este termo, também conhecido como sugestionabilidade, descreve os fatores que levam a um evento que afetam nossa percepção dele. Por exemplo, o priming é a diferença entre perguntar a alguém "Você tirou a caneca com uma marca azul da prateleira?" Em vez de perguntar "Você tirou alguma coisa da prateleira?". A primeira frase descreve um objeto específico, que tem uma influência mais forte na memória, do que a pergunta aberta. Sugestões sutis de palavras podem ter um efeito real na memória de uma pessoa e, portanto, em sua resposta.

Há mais um fator que influencia significativamente a memória das massas, que é a rede mundial de computadores. Não é por acaso que a consideração do efeito Mandela cresceu na era digital. A internet é uma ferramenta poderosa para divulgar informações e, junto com seus muitos benefícios, também faz com que os equívocos e as informações incorretas ganhem força com muito mais facilidade do que antes. Na verdade, um grande estudo de mais de 100.000 notícias discutidas no Twitter, conduzido ao longo de um período de 10 anos, mostrou que fake news e boatos venceram a verdade todas as vezes em cerca de 70%.

O resultado final é que as memórias são fragmentos vulneráveis de informações armazenadas no cérebro que podem ser danificadas com o tempo. Embora gostemos de presumir que nossas memórias são precisas, esse não é necessariamente o caso. Aqui estão alguns exemplos memoráveis do efeito Mandela em ação.

1. A morte de Nelson MandelaO efeito Mandela: memórias coletivas falsas

Image Source: United Nations / Flickr

Este incidente realmente levou à criação e popularização do termo Efeito Mandela. Foi cunhado por uma mulher chamada Fiona Broome em 2019. Broome compartilhou o fato de que, enquanto estava em uma conferência ela teve uma conversa sobre suas lembranças do ativista e ex-presidente sul-africano Nelson Mandela.

A própria Broome, vários de seus conhecidos e até alguns estranhos acreditavam que Mandela havia morrido na prisão na década de 1980. Na realidade, Mandela faleceu como um homem livre em 2013 de uma infecção do trato respiratório. Broome estava fascinada pelo fato de que ela não estava sozinha em sua crença errônea. Toda uma massa de pessoas tinham uma memória idêntica de um evento que nunca aconteceu. Alguns até se lembraram de ter visto a cobertura da notícia sobre sua morte na prisão, bem como um discurso de sua viúva. Incentivada por sua editora, ela lançou um site chamado The Mandela Effect para explorar incidentes semelhantes.

2. O homem de monóculo do jogo Banco Imobiliário (Monopoly, em inglês) O efeito Mandela: memórias coletivas falsas

O monopólio é um dos jogos de tabuleiro mais populares do mundo há décadas. É seguro presumir que a maioria das pessoas se lembra do tio Rich Pennybags, ou Sr. Monopólio, o mascote apresentado na embalagem do Banco Imobiliário desde 1936.

Ele é retratado como um velho corpulento com bigode, que usa um terno formal com uma gravata borboleta e uma cartola. Alguns insistem que o Sr. Monopólio completa seu visual com um monóculo, mas isso não é verdade. As pessoas parecem confundi-lo com Mr. Peanut, o logotipo publicitário da empresa americana de salgadinhos Planters, que usa tanto um monóculo quanto um traje de executivo. É que nosso cérebro pode facilmente pegar indivíduos com características semelhantes e combiná-los (existem vários estudos para apoiar essa afirmação).

3. Uma Mona Lisa carrancudaO efeito Mandela: memórias coletivas falsas

Considerando que a pintura de Leonardo Da Vinci, Mona Lisa, é provavelmente a obra de arte mais famosa registrada na história da arte, você pode se surpreender ao saber que muitas pessoas têm a lembrança errada do tema do retrato. É um equívoco comum pensar que a Mona Lisa está carrancuda quando na realidade ela é retratada sorrindo ou talvez esboçando um sorriso. Não há pesquisas definitivas sobre o assunto, mas pode ser resultado de uma fabulação. Retratos renascentistas de pessoas sorridentes não são comuns, então as pessoas preenchem a lacuna em sua memória com outras obras de arte que viram “Talvez as pessoas estejam apenas tomando a regularidade estatística do ambiente [da arte]. As pessoas ficam expostas a muita arte onde as pessoas não sorriem ”, disse Brewer.

Se você achou este artigo interessante, compartilhe-o com outras pessoas!

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade