header print

Dicas Para Criar Uma Criança Bilíngue

O Editor: Laura Dias

 Ensinar seu filho duas línguas é um dos maiores presentes que você pode dar como pai ou mãe. Melhor ainda se você puder ajudá-los a aprender cada idioma em um nível nativo, já que os benefícios do bilinguismo são imensos.

Mas mesmo que seu filho nunca conheça uma língua tão bem quanto a outra, saber uma língua a mais ainda pode ajudar, já que vários estudos descobriram que os bilíngues são mais inteligentes, têm melhores habilidades interpessoais e cérebros mais desenvolvidos que os monolíngues.

E embora existam vários mitos de bilinguismo por aí, neste artigo falamos sobre como aprender uma nova língua de forma divertida. A longo prazo, vale a pena conhecer duas línguas e estamos determinados a  ajudá-lo com essa tarefa assustadora.

Antes de começarmos a discutir as dicas, precisamos esclarecer o significado de alguns termos. Nos estudos bilíngues, uma "língua majoritária" é a língua do país em que você mora, e uma "língua minoritária" é a segunda língua que você gostaria que eles conhecessem.

Por exemplo, uma família americana que se mudou para a França ensinará seu filho inglês como língua minoritária e o francês como a língua majoritária. Agora você está pronto para as dicas.

 

1. Apresente a seu filho ambas as línguas o mais cedo possível

As crianças estão prontas para aprender uma língua imediatamente após o nascimento, pois possuem todas as estruturas e órgãos cerebrais necessários para isso. O elemento básico de qualquer idioma é um som, e é exatamente isso que seu filho aprenderá primeiro.

criança bilíngue

A propósito, o fato de as crianças geralmente não começarem a produzir sons voluntários até os 6 a 7 meses não significa que elas não estão aprendendo: elas estão ouvindo atentamente todos os sons e sílabas que você diz. E como os dois idiomas que você deseja aprender podem ter sons muito diferentes, você precisa expor seu filho a ambos os idiomas o mais rápido possível.

Por exemplo, no inglês e no espanhol o “r” é pronunciado de forma diferente, pois o espanhol tem o chamado “r”, que a criança nunca será capaz de aprender, a menos que ouça e tente reproduzi-lo várias vezes. Por isso, é uma boa ideia expor seu filho aos dois idiomas desde o nascimento.

Não desanime, no entanto, se seu filho não começar a aprender um segundo idioma cedo, já que os linguistas garantem que, com a prática constante, qualquer criança pode aprender a falar um idioma em um nível nativo.

2. Exponha seu filho a ambos os idiomas todos os dias

Uma pessoa verdadeiramente bilíngue é aquela que conhece ambos os idiomas igualmente bem, e como a prática constante é a única razão pela qual aprendemos uma língua para começar, você terá que garantir que a criança use os dois idiomas diariamente.

E lembre-se, o aprendizado de idiomas engloba quatro habilidades principais:

  • ouvir
  • falar
  • ler
  • escrever

Um nível nativo não pode ser alcançado a menos que você, o pai (avô, cuidador, etc.) lhes ensine todas essas habilidades, de forma persistente e consistente. Isto é especialmente verdadeiro no que diz respeito à língua minoritária, pois as crianças que não aprendem uma língua na escola muitas vezes não podem ler e escrever na língua minoritária, mesmo que a compreendam e falem perfeitamente.

criança bilíngue

3. Não se preocupe se seu filho misturar os 2 idiomas ao falar com você

Uma preocupação comum entre os pais de crianças bilíngues é que a criança irá misturar as línguas, o que certamente deve significar que elas não conhecem as duas línguas bem o suficiente. Este é um mito e que gostaríamos de desmascarar imediatamente.

Mesmo que seu filho misture os dois idiomas ao falar com você, isso acontece porque eles sabem que você pode entendê-los e é por isso que eles o fazem. Esse fenômeno é chamado de troca de código na linguística, e as pessoas tendem a mudar de um idioma para outro porque é comum em sua família, ou porque é um campo muito específico e estreito (digamos, um conto de fadas específico que a criança conhece apenas na língua minoritária).

É muito raro, e geralmente acontece apenas com crianças muito pequenas, de elas falarem  com um estranho na língua minoritária. Portanto, não tenha medo de que seu filho se refira a água como wasser (alemão) ou voda (russo) ou agua (espanhol) ou mizu (japonês) na escola, pois eles sabem muito bem qual idioma usar em qual contexto.

4. Corrija-os se eles disserem algo de forma incorreta (ou na “língua errada”), mas não os impeça com muita frequência

Corrigir e dar feedback em geral é algo muito bom de se fazer, mas não corrija com muita frequência, pois isso pode interromper o fluxo da conversa e, provavelmente, deixa você e a criança frustrados.

Além disso, uma boa ideia é não interromper alguém no meio da frase. Espere até que a criança termine com o pensamento deles, e então gentil e pacientemente diga a ela o que foi dito errado. Isso não apenas vai encorajar o fluxo de conversa, mas também permitirá que a criança faça perguntas.

criança bilíngue

5. Não confie na TV ou na mídia sozinha para ensinar seu filho

Você se lembra das 4 habilidades básicas que mencionamos na segunda dica? Bem, estes podem ser categorizados em habilidades ativas e passivas. As habilidades passivas incluem aquelas que estão ligadas à percepção, ou seja, audição e leitura, enquanto as habilidades ativas requerem a produção de linguagem e incluem a fala e a escrita.

Agora, quando você confia na TV, livros e dispositivos para o aprendizado de idiomas, na verdade você está treinando apenas as habilidades passivas, então seu filho provavelmente acabará sendo capaz de entender a língua muito bem, mas terá dificuldades em se expressar naquela língua. 

Isso não significa que você não deva incorporar esses recursos de mídia maravilhosamente úteis para ensinar uma linguagem a seus filhos, simplesmente certifique-se de equilibrá-los com conversas significativas, jogos, tarefas escritas e atividades interativas.

Uma ótima dica para enriquecer ainda mais a exposição de sua criança à língua minoritária é encontrar uma comunidade de falantes nativos em sua região, pois a pronúncia, o ritmo e o vocabulário mudam de pessoa para pessoa e você quer mostrar a variedade de discursos quanto possível para seu filho.

criança bilíngue

6. Leia, cante e converse com seus filhos todos os dias, especialmente no idioma minoritário

Essa dica está ligada à anterior, pois o objetivo dessas atividades é incentivar o uso diverso da linguagem pela criança.

Os principais especialistas no campo do desenvolvimento bilíngue aconselham a contar histórias, ler em voz alta, cantar e falar com as crianças, especialmente na língua minoritária, para que as crianças tenham a exposição mais rica e complexa possível.

Isso garantirá que a criança esteja familiarizada com a linguagem de conversação, informações culturais e tradicionais (como contos de fadas, história, etc.), bem como com uma linguagem mais sofisticada (da literatura, revistas, etc.).

Sem isso, a criança corre o risco de não ser verdadeiramente bilíngue, pois o uso da língua minoritária será limitado a conversas informais. De qualquer forma, você precisa se concentrar na língua minoritária com mais frequência, porque à criança é geralmente ensinada a língua majoritária na escola, onde tem maior acesso a ela do que à língua minoritária.

criança bilíngue

7. Escolha sua estratégia

O desenvolvimento bilíngue precisa de uma estratégia de aprendizado específica, e você terá que decidir antecipadamente como deseja manter um equilíbrio entre os dois idiomas. Aqui estão as 3 estratégias de ensino mais conhecidas:

Estratégia 1: um pai, um idioma

É exatamente o que parece: cada pai fala com a criança em um idioma diferente e exige que a criança faça o mesmo. Essa abordagem se encaixa nas famílias onde os pais são falantes nativos de diferentes idiomas. Nesse caso, cada pai fala com a criança em seu próprio idioma.

As vantagens desta estratégia:

  • Permite que os pais ensinem 3 idiomas, se cada pai falar um idioma diferente do idioma majoritário.
  • Não exige que os pais falem 2 ou mais idiomas fluentemente.

As desvantagens desta estratégia:

  • Pode inclinar a balança para o idioma majoritário em uma situação em que um dos pais fala com a criança no idioma maioritário. Com o tempo, a criança sentirá que a língua majoritária é mais útil e importante e pode se recusar a falar na língua minoritária.
  • Pode ser problemático quando a família está junta, especialmente se um dos pais não fala os dois idiomas.
  • Não está disponível para pais solteiros.
criança bilíngue

Estratégia 2: Idioma em Casa

De acordo com essa estratégia, ambos os pais falam a língua minoritária em casa com o filho. Essa é uma ótima estratégia se você e seu parceiro forem falantes nativos de um idioma diferente do idioma majoritário.

Os benefícios:

  • Os pais não precisam ser falantes nativos da língua minoritária.
  • A criança usará a língua minoritária em casa o tempo todo e não será eliminada pelo idioma majoritário.
  • É adequado para pais solteiros.
  • Não exige que os pais conheçam o idioma majoritário.

As desvantagens:

  • A criança pode, com o tempo, sentir que a língua materna é pior do que a língua majoritária. Para evitar que isso aconteça, eduque seu filho sobre a importância do idioma e os benefícios que ele tem.

Estratégia 3: Uma linguagem específica em um contexto

Sob essa estratégia, você atribui certas atividades e situações a um idioma específico. Por exemplo, no jantar você fala um idioma, mas ao fazer o dever de casa usa o outro idioma.

Os benefícios:

  • Pode ser combinado com uma estratégia diferente. Se você quer encorajar seu filho a falar a língua majoritária na escola, então você fala sobre a escola e faz o dever de casa nesse idioma, embora normalmente você fale a língua minoritária em casa.
  • Pode ser usado por pais solteiros.
criança bilíngue

As desvantagens:

  • Pode ficar confuso.
  • Seu filho pode acabar discutindo um tópico específico apenas em um idioma.
  • Isso requer que os pais falem ambos os idiomas fluentemente.

Como você pode ver, cada abordagem tem seus próprios benefícios e desvantagens e, dependendo da sua situação, você pode misturar e combinar essas estratégias. Além disso, não tenha medo de mudar a estratégia se perceber que não está funcionando.

8. Você não precisa ser um falante nativo para criar crianças bilíngues

Embora seja certamente benéfico se a sua proficiência na língua for nativa ou quase nativa, não é impossível ensinar a seu filho um idioma que você não o conhece perfeitamente. Vai demandar mais trabalho e esforço para você como pai ou mãe em comparação com falantes nativos, pois você terá que aprender e melhorar constantemente junto com seu filho bilíngue, mas os resultados valem muito a pena.

 

Conteúdo: nytimesbilingualkidsspotraisingchildrenlinguisticssociety

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade