maavaron
Você está sendo transferido para a página solicitada...
header print

6 Impressionantes Histórias Com Lição de Moral...

 Se você é fã de histórias com uma lição de moral no fim, chegou ao lugar exato, pois nós também adoramos. Confira agora 6 simples histórias com grandes significados que nos fazem refletir...
 
1. Pedras na praia
histórias com moral

Certa vez, um homem caminhava pela praia numa noite de lua cheia… Ele pensava:
Se tivesse um carro novo seria feliz; 
Se tivesse uma casa grande seria feliz; 
Se tivesse um excelente trabalho seria feliz; 
Se tivesse uma parceira perfeita seria feliz… 

Até que ele tropeçou num pequeno saco cheio de pedras. Por conta disso, ele começou a atirar as pedrinhas, uma a uma, ao mar, a cada vez que dizia:
Seria feliz se tivesse…

Assim o fez, até que ficou com uma única pedrinha no saco e decidiu guardá-la. Ao chegar em casa, percebeu que aquela pedrinha era, afinal, um diamante muito valioso. Imagina quantos diamantes ele atirou ao mar sem parar para pensar?

Moral da história: Assim são as pessoas… desperdiçam seus tesouros preciosos por estarem à espera do que acreditam ser perfeito ou sonhando e desejando o que não têm, sem dar valor ao que têm perto delas. É como diz o ditado: A felicidade está onde a colocamos e nunca a colocamos onde nós estamos. Olhe ao redor e perceba que o que tens pode ser valioso como diamante!

2. O mestre e os discípulos
histórias com moral

“Um monge e os seus discípulos iam por uma estrada e, quando passavam por uma ponte, viram um escorpião ser arrastado pelas águas.

O monge correu pela margem do rio, meteu-se na água e pegou no bichinho com a mão. Quando o trazia para fora, o escorpião picou-o e, devido à dor, o monge deixou-o cair novamente no rio. Regressou à margem, apanhou um ramo de árvore, correu, entrou no rio, colheu o escorpião com o ramo e salvou-o.

Depois, juntou-se aos seus discípulos na estrada. Eles tinham assistido a tudo e estavam perplexos e indignados.
– Mestre, a picada deve estar doendo muito! Por que salvaste aquele bicho ruim e venenoso? Que se afogasse! Seria um a menos! Veja como ele respondeu à sua ajuda! Picou a mão que o procurava salvar! Não merecia a sua compaixão!

O monge ouviu tranquilamente os comentários e respondeu serenamente:
– Ele agiu conforme a sua natureza, e eu de acordo com a minha.”

Moral da história: Jamais deixe de fazer o bem, mesmo que, aparentemente, as pessoas não mereçam.

3. O menino e a borboleta
histórias com moral

Certo dia, uma criança observava uma pequena abertura num casulo. Ela observou por muito tempo, percebendo que a pequena borboleta se esforçava, batendo as asas, para conseguir alargar o buraco e sair através da abertura. Depois de algumas horas, não havia grandes progressos com as tentativas, pois a borboleta batia as asas contra as paredes do casulo e não parecia que alargava o suficientemente o buraco para passar.

Então, o menino decidiu ajudar e logo foi buscar uma tesoura e abriu o casulo cuidadosamente.  A borboleta saiu, então, facilmente. Mas o seu corpo era pequeno e as asas não tinham a força necessária para a sustentar. Continuou a observar a borboleta, à espera de que as asas se abrissem e esticassem, prontas para o voo. Nada aconteceu… na verdade, a borboleta passou o resto da vida aleijada, rastejando, com o corpo murcho e asas encolhidas – nunca seria capaz de voar.

O que a criança não compreendia, na sua gentileza e vontade de ajudar, era que o casulo apertado e o esforço necessário à borboleta para sair dele, seria o modo de fortalecer as asas e de a tornar apta a voar. 

Moral da história: Algumas vezes, o esforço é justamente o que precisamos na nossa vida para nos tornarmos mais fortes e mais capazes.

4. O homem sábio
histórias com moral

Algumas pessoas tinham o hábito de visitar um homem sábio, reclamando sempre dos mesmos problemas. Um dia, ele decidiu lhes contar uma piada e todos caíram em gargalhadas.

Depois de alguns minutos, ele lhes contou a mesma piada e apenas alguns deles sorriram.

Então, ele falou a mesma piada pela terceira vez, mas ninguém riu ou sorriu mais.

O homem sábio sorriu e disse: "Você não pode rir da mesma piada repetidamente. Então, por que você está sempre chorando por causa do mesmo problema?"

Moral da história: A preocupação não resolverá seus problemas; apenas vai desperdiçar o seu tempo e a sua energia.

5. Foco no objetivo
histórias com moral

Era uma vez um cocheiro que dirigia uma carroça cheia de abóboras. A cada solavanco da carroça, ele olhava para trás e via que as abóboras estavam todas desarrumadas. Então ele parava, descia e colocava-as novamente no lugar. Mal reiniciava sua viagem, lá vinha outro solavanco e tudo se desarrumava de novo.

Então ele começou a ficar desanimado e pensou: “jamais vou conseguir terminar minha viagem! É impossível dirigir nesta estrada de terra, conservando as abóboras arrumadas!”. 
Quando estava assim pensando, passou à sua frente outra carroça cheia de abóboras e ele observou que o cocheiro seguia em frente e nem olhava para trás: as abóboras que estavam desarrumadas organizavam-se sozinhas no próximo solavanco.

Foi quando ele compreendeu que, se colocasse a carroça em movimento na direção do local onde queria chegar, os próprios solavancos da carroça fariam com que as abóboras se acomodassem em seus devidos lugares.

Moral da história: Assim também é a nossa vida, quando paramos demais para olhar os problemas, perdemos tempo e nos distanciamos das nossas metas.

6. As acusações
histórias com moral

Certa vez, em uma cidade de interior, um padeiro foi ao delegado e deu queixa do vendedor de queijos que, segundo ele, estava roubando, pois vendia 800 gramas de queijo e dizia estar vendendo 1 quilo.

O delegado pegou o queijo de 1 quilo e constatou que só pesava 800 gramas, então mandou prender o vendedor de queijos sob a acusação de estar fraudando a balança.

O vendedor de queijos, ao ser notificado da acusação, confessou ao delegado que não tinha balança em casa e, por isso, todos os dias comprava dois pães de meio quilo cada, e colocava os pães em um prato da balança e o queijo em outro e, quando o fiel da balança se equilibrava, ele então sabia que tinha um quilo de queijo.

O delegado, para tirar a prova, mandou comprar dois pães na padaria do acusador e constatou que dois pães de “meio quilo” se equivaliam a “um quilo” de queijo. O delegado concluiu que quem estava fraudando a balança era o mesmo que estava acusando o vendedor de queijos.

Moral da história: Nós somos um pouco assim e muitas vezes acusamos os outros de nossos próprios vícios. Não julgue para não ser julgado!

Fonte: Lucas S.
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade