maavaron
Você está sendo transferido para a página solicitada...
header print

Os Problemas da Terceira Idade: Como Lidar Com Eles?

 

"Apesar da chegada de uma nova geração de pessoas idosas, a velhice ainda é acompanhada por uma série de dificuldades e ansiedades. Algumas delas são pequenas, mas perturbadoras, e outras são muito significativas, e infelizmente são problemas que a geração mais jovem acha difícil entender..." 

Com estas palavras, Avraham Alon, um residente veterano especializado em habitações protegidas e questões de qualidade de vida em idosos, começa sua explicação sobre as dificuldades que as pessoas podem vivenciar na velhice. Por meio de suas palavras, podemos aprender sobre os sentimentos difíceis que podem ser grandes nessa idade...

 
Como lidar com as dificuldades da velhice?

Vamos começar com o que é "aparentemente pequeno" 
"Problemas técnicos" em casa – no final da noite, uma viúva idosa senta em seu apartamento para ler um livro. Começa a escurecer e ela se levanta para acender a luz. Nada acontece... Não está claro para ela se o problema é geral ou no próprio apartamento, e, enquanto isso, vai escurecendo. A senhora, que é inexperiente em tais situações, chama a empresa de eletricidade apenas para ser informada de que "não há relatos de falta de energia em sua área". 

A senhora está em perigo. O que ela fará agora? O vizinho do lado pode sair de casa por alguns minutos para ajudar? Talvez ela devesse ligar para o filho dela que mora em outra cidade? Mas o que ele poderia fazer? Ela lembra que o mesmo filho deixou para ela outro número que lida com problemas de funcionamento elétrico. Ela anda na penumbra lê o número do telefone. Um atendente cortês atende a ligação e educadamente encerra a conversa: "Por favor, espere pacientemente, faremos o melhor para ajudá-la". E é isso. Agora ela não tem mais nada a fazer a não ser sentar e esperar. Não há luz, rádio, televisão, nada para fazer até que um "salvador" venha. Um cenário semelhante também ocorrerá como resultado de outros problemas, como uma torneira com vazamento, a geladeira quebrada e assim por diante. 

Perda de equilíbrio – Ele geralmente se sentia seguro enquanto caminhava; mantinha a postura correta, sem andar muito rápido e cuidadoso em áreas molhadas. No entanto, surpreendentemente, ele caiu dentro de casa – ao andar na cozinha em direção à geladeira, ele de repente escorregou, mas felizmente sua mão foi capaz de alcançar a parte de trás da cadeira mais próxima a ele. Na idade dele, porém, suas mãos não são tão fortes quanto antes, então, de repente, ele se vê deitado no chão. 'Como eu me levanto?', ele pergunta a si mesmo, e imediatamente responde: "Sozinho..." 

"Uma gripe passageira" – Ele se vê tomado por uma fraqueza persistente que não desaparece mesmo depois de dois dias, mas "acontece de vez em quando na minha idade", ele pensa. Ao sentir que sua temperatura sobe cada vez mais, ele fica na cama com um termômetro velho e sujo na boca. Como não consegue se lembrar de quanto tempo precisa esperar, e não tem certeza se deve esperar por um sinal sonoro, ele decide esperar cinco minutos e depois outros cinco minutos. Então ele tira o termômetro da boca, coloca os óculos e olha para o número. "Trinta e oito graus", ele lê para si mesmo. "Devo procurar um médico? Devo tomar alguma coisa para reduzir a febre?". Como não há ninguém para dar algum conselho médico, ele decide ir dormir. "Talvez passe amanhã de manhã..."

Como lidar com as dificuldades da velhice?

"Uma solidão monótona" – Ela está deprimida há uma semana; na verdade, ela não deseja nada, e a informaram que, na sua idade, isso acontece com todos. Então, ela se move da poltrona para a cozinha ('uma xícara de chá não vai fazer mal'), de lá para a TV ('que notícia desagradável'), de lá para a janela ('o cenário não muda e as pessoas também não mudam '). Ela lembra que sua melhor amiga faleceu há um mês e que os quartos estão vazios porque todos os seus filhos estão ocupados se preocupando com suas vidas e suas famílias. O clube social que esta senhora frequentou pela manhã parecia chato e monótono, então ela provavelmente não vai mais. "O que eu faço com essa vida agora?", ela se pergunta, incapaz de pensar em uma resposta. 

 

E agora, as "grandes coisas" 
Família, autoimagem e status social: como o idoso é "percebido" pelo ambiente familiar e social – "O que eles sabem sobre mim?" 
Diminuição da memória: "Eu tenho Alzheimer ou é apenas velhice?" 
Problemas de sono: "Eu me viro na cama a noite toda ou vou frequentemente ao banheiro" 
Comunicação com os mais jovens da família: os intervalos entre as gerações crescem apenas à medida que a tecnologia avança. "Não fale rápido ou engula as palavras, é difícil para mim te entender" 
A aparência externa: rugas, costas curvadas, andar devagar, cabelos caindo, depender de uma bengala ou andador – "Meu corpo já foi bonito e forte." 
A falta de aceitação do envelhecimento: esta é a rebelião interna do corpo e da mente contra os efeitos do tempo que não podem ser interrompidos.

Como lidar com as dificuldades da velhice?

O que pode ser feito para mudar a situação? 
Apesar de todas as diferenças entre o estilo de vida dos idosos no mundo moderno e aqueles que viveram há algumas décadas, suas vidas estão longe de serem perfeitas. É especialmente difícil para eles verem o quanto as pessoas mais jovens não entendem suas dificuldades e pensamentos, e é ainda mais difícil para esses jovens entenderem o que os idosos estão dizendo. Todas as partes envolvidas devem lembrar que aumentar a expectativa de vida dá às pessoas muito mais anos de vida, mas não necessariamente qualidade de vida. Depois de atingir a idade de aposentadoria, a pessoa enfrenta muitos anos em que não são o que já foram e agora estão ansiosos sobre o que vai acontecer. 

Esta situação exige que o mundo, tanto jovem como velho, se concentre na questão do sofrimento e das preocupações dos idosos, para ajudá-los a lidar com as dificuldades da idade e encontrar um remédio – mesmo que parcial – para o seu sofrimento. O caminho para este objetivo começa, em primeiro lugar, com a compreensão das dificuldades apresentadas neste artigo, especialmente as "pequenas coisas" descritas na primeira parte. Além disso, lembre-se de que o progresso médico não faz diferença na qualidade de vida em uma idade mais avançada. A responsabilidade recai sobre todos nós, e devemos lembrar que, embora isso pareça ser uma tarefa complexa e difícil, tudo o que é necessário para completá-la é um ombro amigo, um ouvido atento, uma mão acariciadora e a consciência de todas as questões levantadas neste artigo.

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
App Logo
Nosso app é fácil!