header print

A Relação Entre a Tristeza e a Fúria...

 Contos são obras e textos de ficção, onde é permitido criar um universo paralelo de acontecimentos, fantasias e muita imaginação. Esses tipos de textos costumam ser curtos em extensão, porém seus significados nos fazem pensar e refletir muito...

Hoje, nós lhe apresentamos um conto de Jorge Bucay, um psicoterapeuta, psicodramatista e escritor argentino. Seu sucesso já alcançou milhões em todo o mundo e suas obras traduzidas para mais de dezessete idiomas. Aprecie...

 

 

A apresentação é acompanhada por música; recomendamos que ligue suas caixas de som.
Para iniciar a música clique no botão de play

Num reino encantado onde os homens nunca podem chegar, ou talvez onde os homens transitem eternamente sem se darem conta…

Num reino mágico onde as coisas não tangíveis se tornam concretas…

Era uma vez…

Um tanque maravilhoso. 

a tristeza e a fúria

Era uma lagoa de água cristalina e pura onde nadavam peixes de todas as cores existentes e onde as tonalidades de verde se refletiam permanentemente…

Aproximaram-se daquele tanque mágico e transparente a tristeza e a fúria para se banharem em mútua companhia. As duas tiraram os vestidos e, nuas, entraram no tanque. A fúria, que tinha pressa (como sempre acontece com a fúria), pressionada pela urgência – sem saber porquê -, banhou-se rapidamente e, ainda mais rapidamente, saiu da água…

Mas a fúria é cega ou, pelo menos, não distingue claramente a realidade. Por isso, nua e apressada, pôs, ao sair, o primeiro vestido que encontrou…

a tristeza e a fúria

E aconteceu que aquele vestido não era o dela, mas o da tristeza… E assim, vestida de tristeza, a fúria foi-se embora.

Muito indolente, muito serena, disposta como sempre a ficar no lugar onde estava, a tristeza terminou o seu banho e, sem pressa – ou, melhor dito, sem consciência da passagem do tempo -, com preguiça e lentamente, saiu do tanque. Na margem, deu-se conta de que a sua roupa já lá não estava.

Como todos sabemos, se há coisa que não agrada à tristeza é ficar nua. Por isso vestiu a única roupa que havia junto do tanque: o vestido da fúria.

a tristeza e a fúria

Contam que, desde então, muitas vezes nos encontramos com a fúria, cega, cruel, terrível e agastada. Mas se nos dermos tempo para olhar melhor, apercebemo-nos de que esta fúria que estamos a ver não passa de um disfarce e, por detrás do disfarce da fúria, na realidade, está escondida a tristeza.

 

“Contos para pensar”  Jorge Bucay

Imagens: Deposit Photos e Pixabay 

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade