header print

Objetos raros que eram usados como coisas comuns

O Editor: Anna D.
 Às vezes, um tesouro muito procurado está escondido bem debaixo do nariz de cidadãos desavisados. Em casos raros, essas antiguidades preciosas estão até sendo bem utilizadas como utensílios domésticos. Você já se perguntou se aquele velho calço de porta ou um baú que você usa como aparador há anos tinha algum valor histórico? Como provam esses 6 exemplos, pode valer a pena ouvir seu instinto e fazer com que as antiguidades sejam examinadas por um avaliador.
 

1. A arca Mazarin com incrustações de ouro servia como bar e suporte de TV

Tesouros encontrados por acaso
A arca Mazarin menor no Victoria and Albert Museum Fonte da imagem: The Victoria and Albert Museum, Londres
A famosa arca de laca Mazarin é uma arca de ouro, prata, madrepérola e cobre que pertenceu ao ministro-chefe do rei da França, cardeal Mazarin. O móvel foi feito à mão por Kaomi Nagashige, o criador dos móveis em laca dos shoguns Tokugawa em Kyoto por volta de 1640. O cardeal francês possuía um conjunto de dois desses baús e as belas obras-primas de laca permaneceram na família até a Revolução Francesa.
William Beckford, um romancista britânico e famoso colecionador de arte, comprou o conjunto de arcas da família Mazarin e, em 1882, o Victoria & Albert Museum adquiriu a arca menor de Beckford. O destino da arca maior, por outro lado, era desconhecido há quase um século e as tentativas desesperadas do Victoria & Albert Museum de rastrear o artefato histórico foram infrutíferas.
Pensava-se que o baú estava perdido para sempre, até que a arca Mazarin reapareceu repentinamente em 2013, quando uma família pediu à casa de leilões Rouillac para avaliar a propriedade de seu parente falecido em Touraine, França. Acontece que o precioso móvel foi comprado pelo falecido engenheiro francês em Londres em 1970 por apenas £ 100. Durante anos, o baú foi usado como suporte de TV e um bar, e o proprietário certamente desconhecia completamente o verdadeiro preço do que possuía . A arca de ouro de Mazarin, dada como perdida,  foi levada a leilão em 2013 e comprado pelo Rijksmuseum pela impressionante soma de US $ 9,5 milhões!

2. O sarcófago de mármore da Roma Antiga que servia como jardineira

Tesouros encontrados por acaso
Os sarcófagos romanos da época eram frequentemente muito adornados
Usar vasos de aparência vintage como jardineiras não é incomum até hoje, mas essa tradição remonta ao século 19, quando viajantes ricos traziam de volta urnas e sarcófagos antigos genuínos e os exibiam como acessórios de jardim. Com o tempo, a tendência se tornou tão popular que réplicas baratas de antiguidades começaram a ser produzidas “para as massas” e, ainda hoje, você provavelmente pode comprar uma urna de argila que pareça uma antiguidade por poucos Reais na loja local de jardinagem.
Isso explica por que uma família que morava na pequena cidade inglesa de Dorchester desconsiderou a antiga jardineira do seu pátio por 100 anos. Em 2012, os proprietários da casa pediram a Guy Schwinge, da Duke's Auctions, para completar uma avaliação de rotina de sua propriedade, e o avaliador com olhos de especialista reconheceu um sarcófago de mármore romano do século 2 ou 3 na antiga jardineira de 2,1 metros coberta de musgo.
O sarcófago de mármore de quase 2.000 anos era provavelmente a tumba de um romano de alto escalão e apresenta ornamentos lindamente preservados, o que o torna um achado notável. Após uma inspeção mais detalhada dos registros de Duke, o Sr. Schwinge encontrou papéis provando que o sarcófago foi leiloado em 1913 no mesmo endereço em que ele o encontrou, então a família deve ter simplesmente esquecido o valor da relíquia romana ao longo dos anos.
O proprietário anterior do sarcófago de mármore foi Sir John Robinson, o primeiro superintendente do Victoria and Albert Museum, que acumulou uma grande coleção de artefatos ao longo de sua vida, da qual o sarcófago romano fazia parte. Em 2012, os proprietários leiloaram o sarcófago romano na Duke's por US $ 133.000.

3. Rara pedra lunar do Sri Lanka sendo usada como pavimentação de jardim

Tesouros encontrados por acaso
A Pedra da Lua encontrada na entrada de Uda Viharaya de Ridhi Vihara Sri Lanka Fonte da imagem: Reddit
Bronwyn Hickmott pegou uma bela pedra de jardim da casa de seus falecidos pais e a instalou em sua própria casa em Devon, Inglaterra. Em entrevista à BBC, Bronwyn disse que ficava fascinada com os belos detalhes e as formas curiosas da pedra desde criança, e é exatamente por isso que decidiu mantê-la.
Mal sabia ela que a curiosa pedra era uma das únicas sete existentes Sandakada Pahana no Sri Lanka. Elas são pedras lunares de templos que datam do final do período Anuradhapura (século 10-11). A pedra rara ficava na entrada do templo em Anuradhapura, a antiga capital do Sri Lanka e uma cidade sagrada budista.
Mas como esse raro artefato sagrado foi parar na Inglaterra? Sam Tuke, o avaliador da casa de leilões Bonhams, que descobriu a rara relíquia na casa de Hickmott, fez algumas pesquisas e descobriu que a casa de seus falecidos pais em East Sussex pertenceu a um plantador de chá que viveu no Ceilão, agora Sri Lanka, na década de 1920. Embora não haja nenhum registro dele possuindo a pedra, Tuke acredita que ele deve ter levado a pedra da lua de Anuradhapura para a Inglaterra em uma de suas viagens.
A Sandakada Pahana foi comprada por um valor colossal de US $ 767.000 por um comprador desconhecido em 2013.

4. O antigo vaso imperial chinês que funcionava como um útil porta-guarda-chuva 

Tesouros encontrados por acaso
Um casal de aposentados de Dorset recebeu um grande vaso azul e branco de presente há meio século. Eles não gostaram muito do vaso, então o esconderam em um depósito e o usaram para guardar guarda-chuvas por 50 anos. Em 2010, nosso conhecido da história do sarcófago, Guy Schwinge da Duke's, foi contratado pelo casal para avaliar a casa.
Ele encontrou o curioso vaso que, a essa altura,  já estava manchado e danificado, pois os proprietários não tinham ideia de seu verdadeiro valor. Para surpresa do casal de idosos, Schwinge afirmou que o vaso que eles detestavam era um vaso imperial único da Dinastia Qing, feito pelo grande mestre de porcelana Tang Ying por volta de 1740. Um selo característico no fundo do vaso confirmou que o objeto havia pertencido ao imperador Qianlong, e acredita-se que o valioso vaso imperial também foi propriedade de Florence Nightingale em um determinado período.
Em 2010, o vaso imperial foi leiloado por US $ 867.400 e, se não fosse pelos danos, o preço seria o dobro do valor. Apostamos que os proprietários ficaram felizes por finalmente se livrarem do vaso “feio”, especialmente porque ele acabou valendo mais do que a casa inteira.

5. O mármore da Roma Antiga que funcionava como um bloco de montar

Tesouros encontrados por acaso
Fonte da imagem: Woolley & Wallis/ CNN
Você não ficaria feliz se a pedra aleatória que encontrou no seu quintal acabasse valendo milhares de dólares? Isso é exatamente o que aconteceu com uma mulher não identificada da Inglaterra, que encontrou um bloco de mármore em seu jardim e soube que era mármore romano do século 2?
A mulher vinha usando a pedra por mais de 10 anos no estábulo para ajudar a montar nos cavalos até que notou a inscrição "O povo (e) os Jovens (honra) Demetrios (filho) de Metrodoros (o filho) de Leukios" em latim e duas coroas de louros na pedra. Depois de consultar um arqueólogo, ela descobriu que a peça de mármore tem quase 2.000 anos e era proveniente da Grécia Antiga ou da Anatólia.
As origens exatas do mármore são desconhecidas, mas provavelmente era outro souvenir trazido por alguns britânicos ricos de suas viagens pela Europa. De qualquer forma, a mulher acabou recebendo US $ 20.300 pela peça, uma bela bolada por um “bloco de montar”, você não concorda? Achamos que sim.

6. O calço de porta mais raro e mais antigo do mundo

Tesouros encontrados por acaso
O Dirk de Rudham. Fonte da imagem: Smithsonian Magazine / Twitter
Um dia, enquanto arava seu campo em Norfolk, Inglaterra, um fazendeiro tropeçou em um pedaço de bronze dobrado que parecia algum tipo de faca ou espada. Sem pensar muito em suas origens, o homem prático o colocou para funcionar como um calço de porta. Por mais de uma década, a peça de bronze cumpriu seu novo propósito, mas o fazendeiro se cansou dela e quis jogá-la fora.
Felizmente para toda a humanidade e especialmente o próprio fazendeiro, um amigo recomendou que ele consultasse um arqueólogo antes de jogar a peça de metal fora, por precaução. Aquela "coisa" de metal acabou sendo um punhal cerimonial da Idade do Bronze de 3.500 anos, um dos seis únicos como ele no mundo. Na verdade, as cinco adagas cerimoniais restantes são tão excepcionalmente semelhantes ao Rudham Dirk, aquela encontrada pelo fazendeiro, que acredita-se que todas elas vêm da mesma oficina de metalurgia.
Para os não iniciados na história da Idade do Bronze, armas cerimoniais como esta eram objetos extremamente valiosos e caros, dobrados intencionalmente para fins rituais antes de serem enterrados. Então, a prestigiosa arma cerimonial não era lixo, afinal. Na verdade, o Museu e Galeria de Arte do Castelo de Norwich comprou o "calço de porta" do fazendeiro por uma boa soma de US $ 56.877.
Compartilhe essas histórias fascinantes com outras pessoas!
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade