header print

O Fungo Que Significa um Fim Para o Lixo de Plástico

 O Paquistão, a Índia e Bangladesh são três dos países mais poluídos do mundo. Todos os anos, o Paquistão gera cerca de 48,5 milhões de toneladas de resíduos sólidos, uma parte substancial dos quais é de plástico, o que é um problema, já que, como todos sabemos, o plástico demora muito para se decompor. Agora, uma equipe de cientistas em Islamabad conseguiu isolar uma espécie de mofo capaz de decompor pelo menos um tipo de plástico.
 
descoberta científica

Primeiro, precisamos entender o que realmente é a decomposição ou a biodegradação. Toda matéria orgânica, dadas as condições adequadas, degrada. Mas essa degradação realmente não reflete apenas o efeito dos elementos sobre a matéria, mas um processo biológico real da matéria sendo dissolvido e comido por bactérias ou mofo.

Mas os plásticos são mesmo matéria orgânica? A resposta curta é "sim", mas a resposta mais longa é que os plásticos são um tipo de matéria orgânica que foi sinteticamente manipulada em uma forma não natural. Como tal, bactérias e fungos não reconhecem isso como qualquer coisa comestível e apenas se movem para a próxima opção.

descoberta científica

O pior é que a maneira mais econômica de se livrar do plástico é despejá-lo no oceano, onde ele se degrada devido ao calor e à umidade, mas não antes de liberar uma série de toxinas na água que são então inalados pela vida marinha.

Mas a ciência atual está trabalhando duro para encontrar os poucos micróbios e fungos que podem decompor os plásticos. Os cientistas paquistaneses descobriram um desses fungos, o Aspergillus tubingensis, capaz de decompor um polímero plástico comum conhecido como poliuretano. Apesar de ser um fungo, não é um cogumelo, já que não tem caule e carne, e sim um tipo de fungo, muito parecido com o mofo negro que aflige as cebolas, aspergillus niger, ao qual está relacionado.

descoberta científicaFonte: Sulev Kuuse

O poliuretano é um plástico usado na fabricação de isolamento de espuma, verniz, esponjas e couro sintético. A. tubingensis não é o primeiro tipo de microrganismo encontrado que pode quebrar o poliuretano, mas a taxa de biodegradação observada pela equipe paquistanesa foi especialmente rápida, levando dois meses para o fungo sorver o plástico.

Os resultados da pesquisa enchem a equipe com a esperança de que o fungo A. tubingensis poderia ser usado conscientemente na remoção de resíduos de poliuretano através da biodegradação, e só podemos esperar que eles estejam certos.

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade