header print

7 mistérios históricos que não têm explicação (ainda)

O Editor: Anna D.
Nosso mundo está cheio de curiosidades e mistérios que continuam nos intrigando. Existem alguns mistérios históricos, em particular, pelos quais os humanos são infinitamente fascinados. Por exemplo, ainda não sabemos a localização da tumba de Cleópatra, e o propósito de Stonehenge também permanece um mistério. Há muitos outros eventos históricos bizarros que não têm explicação, e as chances são de que nunca encontremos uma.
Aqui reunimos alguns dos maiores quebra-cabeças não resolvidos da história. A falta de respostas torna esses enigmas ainda mais fascinantes.

1. O que aconteceu com Edgar Allan Poe?

Mistérios históricos ainda sem solução
Edgar Allan Poe, por volta de 1849. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
Edgar Allan Poe foi um famoso escritor americano que morreu aos 40 anos em 1849 sob circunstâncias misteriosas. Poucos dias antes de sua morte, Poe foi visto deitado em uma sarjeta perto de uma taverna em Baltimore, Maryland, delirando e vestido com roupas surradas de segunda mão. Poe foi levado para um hospital onde não foi capaz de explicar o que aconteceu com ele enquanto ele ficava inconsciente nos próximos dias. Ele faleceu na manhã de 7 de outubro de 1849.
J.E. Snodgrass, médico e amigo de Poe, o visitou no hospital, mas não conseguiu reconhecer o autor. Ele disse que Poe provavelmente morreu de complicações causadas pelo alcoolismo. Outras teorias sugerem que seu nível de açúcar no sangue estava muito baixo e alguns dizem que ele estava sob a influência de drogas. Curiosamente, porém, não há registros sobre a causa da morte de Poe.
Algumas pessoas chegaram a acreditar que o autor poderia ter sido vítima de um crime. Infelizmente, ninguém investigou o mistério da morte de Edgar Allan Poe, e é improvável que tenhamos uma resposta definitiva sobre o que exatamente causou o fim repentino do mestre do mistério.

2. Para onde foi a colônia de Roanoke?

Mistérios históricos ainda sem solução
A colônia perdida - desenho de William Ludwell Sheppard, gravura de William James Linton. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
A ilha de Roanoke, situada na costa da atual Carolina do Norte, EUA, foi fundada em 1585 por um grupo de colonos da Inglaterra liderados por John White. White, que se tornou o governador do novo assentamento, partiu para a Inglaterra dois anos depois para obter mais suprimentos, deixando para trás sua esposa, filha, genro e neta. Acredita-se que a neta de White, Virginia Dare, seja a primeira criança filha de ingleses nascida nas Américas.
Quando White voltou para a ilha em 1590, ficou chocado ao descobrir que toda a colônia havia desaparecido. Tudo o que ele encontrou foi uma única palavra esculpida em uma árvore - "CROATOAN". Etnólogos e antropólogos acreditam que a palavra pode ser uma amálgama de duas palavras algonquinas que significam "cidade da conversa" ou "cidade do conselho".
Nos séculos seguintes, várias teorias tentaram explicar o desaparecimento da colônia de Roanoke. O mais popular sugere que as pessoas do assentamento se mudaram para uma ilha próxima. Outros dizem que fugiram. Mas ninguém sabe ao certo o que aconteceu com a colônia e, talvez, ninguém jamais saberá.

3. A verdadeira identidade de Jack, o Estripador

Mistérios históricos ainda sem solução
Uma de uma série de imagens do Illustrated London News de 13 de outubro de 1888, intitulada "Um Personagem Suspeito". (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
Quem foi Jack, o Estripador? Essa pergunta foi feita inúmeras vezes por mais de um século, mas ainda não sabemos a verdadeira identidade desse serial killer vitoriano.
Em 1888, pelo menos cinco mulheres foram brutalmente assassinadas no East End de Londres, Inglaterra. Cartas anônimas foram então enviadas à polícia, confessando os crimes e assinadas “Jack, o Estripador”. Se alguma delas foi escrita pelo verdadeiro assassino permanece uma questão de debate, mas Jack, o Estripador, se tornou um dos serial killers mais anônimos e ameaçadores da história.
O verdadeiro assassino nunca foi encontrado, e a maioria dos arquivos policiais relacionados à investigação foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial. É quase certo agora que a verdadeira identidade do Estripador nunca será conhecida.

4. Onde está a Arca da Aliança?

Mistérios históricos ainda sem solução
Josué passando pelo rio Jordão com a Arca da Aliança. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
A Arca da Aliança era um baú feito de ouro puro contendo as tábuas com os Dez Mandamentos. Acreditava-se que fosse mantida no Primeiro Templo - um edifício usado pelo povo judeu para adorar a Deus - em Jerusalém. A Arca é mencionada várias vezes na Bíblia, e o Livro do Êxodo diz que Deus havia instruído Moisés a construí-la durante sua estadia no Monte Sinai.
Em 587 a.C., um exército babilônico sob o comando do rei Nabucodonosor II atacou Jerusalém e destruiu o templo. O destino da Arca não é claro. Algumas fontes sugerem que ela pode ter sido levado de volta para a Babilônia ou escondida antes de Jerusalém ser atacada. Curiosamente, a Igreja de Nossa Senhora Maria de Sião afirma que a Arca permanece em sua posse. Infelizmente, ninguém sabe ao certo o que aconteceu com ela.

5. As últimas palavras de Einstein

Mistérios históricos ainda sem solução
Albert Einstein durante uma palestra em Viena em 1921. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
O genial físico alemão Albert Einstein, famoso por elaborar sua teoria da relatividade, faleceu em 18 de abril de 1955,aos 76 anos. A causa de sua morte foi a ruptura de um aneurisma da aorta abdominal.
Einstein recusou o tratamento, dizendo: “Quero ir quando quiser. É insípido prolongar a vida artificialmente. Eu fiz minha parte, é hora de ir. Farei isso com elegância.”
No entanto, as últimas palavras do grande homem permanecerão para sempre desconhecidas porque foram ditas em seu alemão nativo a uma enfermeira que não entendia o idioma. A enfermeira disse que ouviu Einstein murmurando algo momentos antes de dar seu último suspiro, mas não sabia exatamente o que ele disse. Talvez fosse uma frase profunda, ou talvez ele estivesse dando seu último adeus ao mundo. Nunca saberemos, infelizmente. 

6. As inscrições do Vale do Indo

Mistérios históricos ainda sem solução
Selo esteatita da civilização Harappa, com inscrição em escrita do Indo. (Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
As escritas do Indo (também conhecido como escrita Harappan) é um modelo de comunicação escrita desenvolvido pela Civilização do Vale do Indo - uma das primeiras civilizações urbanas da história humana. Acredita-se que a civilização tenha florescido de cerca de 2600 aC a 1900 aC. No entanto, seu sistema de escrita permanece indecifrável. Os linguistas não podem concordar com o tipo de linguagem usada nas inscrições. Até agora, não parece ter nenhuma conexão com outros idiomas usados nas áreas vizinhas, bem como com a Índia e o Paquistão. Cerca de 400 sinais foram identificados nos registros, fazendo os pesquisadores acreditarem que grande parte dele foi escrito em materiais perecíveis, como folhas de palmeira ou bétula.
Mas ainda não sabemos nada conclusivo sobre o que dizem, e esta é a razão pela qual a Civilização do Vale do Indo continua sendo uma das civilizações antigas mais misteriosas.

7. Peste Dançante de 1518

Mistérios históricos ainda sem solução
Cidadãos de 1518 Estrasburgo com a 'peste dançante' dançando em meio a sepulturas em um cemitério.(Fonte da imagem: Wikimedia Commons)
Em 14 de julho de 1518, uma mulher chamada Frau Troffea saiu de sua casa na cidade francesa de Estrasburgo (então parte do Sacro Império Romano) e de repente começou a dançar. Uma grande multidão logo se reuniu ao redor dela, curiosa para ver o que estava acontecendo. A mulher parecia incapaz de parar e não tinha controle sobre suas ações. Ela continuou dançando até desmaiar de exaustão, mas logo retomou a atividade frenética. Isso durou alguns dias e, surpreendentemente, mais de 30 outras pessoas começaram a dançar da mesma forma em toda a cidade em uma semana. No final do mês, quase 400 pessoas dançavam nas ruas da cidade e seguiam em frente mesmo com os pés sangrando. Vários deles morreram de seus esforços, e ninguém na cidade sabia como detê-los. O frenesi da dança começou a diminuir apenas no início de setembro.
Os líderes cívicos e religiosos declararam que as pessoas sofriam da 'mania da dança' ou 'praga da dança'. Por mais estranho que isso possa parecer para nós hoje, essa mania da dança não foi uma ocorrência única. Crônicas dos séculos 14 a 16 estão cheias de relatos alegando vários surtos semelhantes na Europa. Um surto de dança semelhante em 1374 se espalhou para várias cidades ao longo do rio Reno.
Mas qual foi a razão por trás da praga da dança? Os cientistas ainda estão intrigados com esse mistério meio milênio depois. Inicialmente, acreditava-se que as pessoas dançavam para atrair o favor divino. No século 20, os investigadores disseram que as pessoas da cidade podem ter consumido pão contaminado com a doença fúngica ergot, o que pode levar a convulsões. A teoria mais popular é que a cidade foi afetada por um distúrbio psicogênico em massa. No entanto, nenhuma evidência conclusiva do incidente bizarro foi encontrada.
Compartilhe este post com outros aficionados por história...
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade