header print

Os 11 mais poderosos deuses do Egito Antigo

O Editor: Anna Davidson
 A religião egípcia é muito antiga. Acredita-se que tenha suas origens por volta de 4000 AEC, até que desapareceu por volta do 1o. século da Era Comum. Apesar de ter passado tanto tempo, o povo egípcio deixou muitos registros difíceis de serem destruídos, pois são esculpidos em pedra. Demorou muitos anos para que eles pudessem ser decifrados, mas quando foram, eles nos mostraram histórias de uma mitologia complexa (assim como registros de outras nações)  e de divindades que são tão versáteis e incríveis quanto os deuses gregos e nórdicos, e um pouco mais bizarras e menos humanas do que as descrições.
Para entender o panteão egípcio, é preciso entender que ele não era algo imutável. Durante os milhares de anos de dinastias e cultura egípcias, os deuses mudaram. Alguns foram esquecidos, outros acrescentados, outros combinados com outros deuses para criar novas divindades. As responsabilidades dos deuses foram compartilhadas entre eles; portanto, existem vários "deuses criadores", vários deuses da morte, vários deuses do Nilo e assim por diante.
Neste artigo, você aprenderá sobre 11 dos deuses e deusas mais poderosos, duradouros e populares do Egito Antigo, sua aparência, responsabilidades e algumas informações fascinantes sobre eles que você provavelmente nunca ouviu falar. Aprecie estas fascinantes histórias das principais divindades cultuadas pelos antigos egípcios.
 
Egyptian gods
Rá era o deus mais poderoso e importante do panteão egípcio. Ele era o rei dos deuses. Você pode pensar nele como o Zeus, Júpiter ou Odin dos egípcios.
Rá tinha muitos nomes, como um deus antigo e poderoso teria. Às vezes, ele era Amun-Ra, ou Ra-Horakhty. Ele era o deus do sol, o símbolo mais poderoso da religião egípcia e, segundo a lenda, nascia todas as manhãs no leste com o sol, e também morria com ele no oeste, à noite. É claro que os deuses realmente não morrem, e assim à noite ele viajava pelas terras dos mortos. É por isso que o lado oeste do rio Nilo também era conhecido como a terra dos mortos.
Rá aparecia sob várias formas. A representação mais comum dele é de um homem com a cabeça de um falcão, com o disco do sol sempre pairando sobre ele. Às vezes, porém, ele era retratado como um homem ou um escaravelho (um inseto sagrado na religião egípcia). Ele tinha amigos entre outros deuses, como Osíris, que habitava as terras dos mortos, e inimigos, como Ísis e Set, contra quem às vezes, lutava mas de quem, às vezes, estava a favor. Coisas de deuses.
Segredinho: Rá tinha um nome secreto, do qual ele extraía todo seu poder. Todos os deuses queriam aprender esse nome e roubar seu poder, e, para isso, tentavam tornar-se seus amigos, mas ele nunca dizia o nome. Um dia, Ísis, querendo que seu marido Osíris fosse o rei dos deuses e não Rá, conjurou uma cobra mágica que picou Rá na perna. A mordida mágica foi tão dolorosa que Rá jogou a toalha e falou o nome a Ísis. Então, ela baniu Rá para um reino espiritual.
Ísis
Egyptian gods

Ísis era irmã e esposa de Osíris, e eles tiveram um filho chamado Hórus. Como deusa da vida e da magia, Ísis protegia as mulheres e crianças e curava os doentes. Intimamente ligada ao trono, ela era uma das maiores deusas do Egito Antigo.

Seus símbolos eram o ankh, as asas e a a coroa do trono.

Talvez a deusa mais importante de toda a mitologia egípcia, Ísis assumiu, durante o curso da história egípcia, os atributos e funções de praticamente todas as outras deusas importantes da terra. Suas funções principais, no entanto, eram as da maternidade, devoção conjugal, curar os doentes e trabalhar com feitiços e encantamentos.

Acreditava-se que ela era a maga mais poderosa do universo, devido ao fato de ter aprendido o nome secreto de Rá com o próprio deus. Além de irmã e esposa de Osíris, era irmã de Set e irmã gêmea de Néftis. Ela era a mãe de Hórus, o Menino (Harpócrates) e era a deusa protetora do filho de Hórus, Amset, protetor do fígado dos mortos.

Ísis tinha grandes poderes de cura, proteção e magia. Além de poder até lançar feitiços em Rá, outro exemplo de seus poderes foi quando Isis trouxe Osíris de volta à vida por uma noite.

Segredinho: Isis foi responsável por proteger Hórus de Set durante sua infância; por ajudar Osíris a voltar à vida; e por ajudar o marido a governar na terra dos mortos.

Osíris
Egyptian gods

Osíris era o deus da fertilidade, da agricultura, da vida após a morte, dos mortos, da ressurreição, da vida e da vegetação - um deus ocupado. Classicamente, ele é visto como um deus de pele verde que tem barba de faraó, está parcialmente embrulhado como uma múmia (pernas) e usando a atef, a coroa simbólica, segurando um cajado e um chicote simbólicos.

Osíris era o governante dos mortos e o primeiro deus-rei da Terra. Ele também é o deus da lua.

Osíris foi assassinado por seu irmão Set (os deuses tinham seus próprios problemas, ao que parece) porque ele queria ser o faraó no lugar de Osíris. Segundo a lenda, Osíris foi atraído para uma caixa por Set, que nela despejou chumbo derretido, assim prendendo Osíris. Ele então cortou Osíris em pequenos pedaços. Certo de que Osíris estava morto e acabado, ele foi embora.

No entanto, bem está o que bem acaba,  porque sua esposa, Isis, encontrou todos pedaços do corpo de Osíris e as envolveu em linho (como uma múmia) para mantê-lo inteiro. Algum tempo depois, ela trouxe Osíris de volta à vida. Quando Hórus, seu filho, tinha idade suficiente, ele lutou e derrotou Set e se tornou o faraó.

Segredinho: Como Osíris foi enfaixado para manter-se inteiro, ele também está associado ao ato de mumificação, e pode ser que tenha sido a origem dessa técnica (de acordo com a religião egípcia).

 

Anúbis

Egyptian gods
Anúbis é um dos deuses mais representados na cultura moderna, talvez porque ele tenha a cabeça de um chacal, que é uma visão bastante assustadora, ou talvez porque ele seja o guardião dos portões das terras dos mortos e, como tal, um deus muito temido, mas "acessível", porque todos, quando morrem, acabariam encontrando-o para serem julgados. Nesse aspecto, ele é um pouco como São Pedro, só que muito mais distante e estranho.
Ele é conhecido como o deus da morte, a vida após a morte, a mumificação e os ritos funerários. Essas suas atribuições e responsabilidades, às vezes, eram tomadas por outros deuses. Por exemplo, Osíris substituiu Anúbis como deus dos mortos.
Segundo a lenda, Anúbis pesaria o coração do falecido comparando-o com a 'Pena da Verdade'. Se o coração estivesse "pesado com o mal", pesaria mais que a pena. Se a pessoa fosse pura de coração, seria mais leve que a pena, sustentada pela bondade.
Se você fosse mau, qual seria seu destino? Você seria comido pelo Ammit, também conhecido como 'O Devorador'. Não parece uma ótima vida após a morte. Mas se você for puro de coração, Anúbis se afastará e abrirá a porta para o próximo reino da vida após a morte, onde você conhecerá Osíris.
Segredinho: Os gregos e romanos desprezavam os deuses egípcios como bárbaros e chamavam Anúbis de "deus dos ladradores", fazendo chacota de sua cabeça de animal. No entanto, eles lhe prestavam um relutante respeito e ele passou a ser identificado com o deus grego Hermes, criando um deus misto. chamado Hermanúbis.​
Hathor
Egyptian gods
Hathor é uma deusa e filha de Rá. Ela é a deusa das coisas bonitas e férteis, como música, dança, beleza, amor e fertilidade. É por isso que ela também é identificada com vacas, que dão leite e vida como uma mãe, assim como com a Via Láctea.
Hathor pode aparecer como uma humana com a cabeça de uma vaca com chifres. Ela usava um colar pesado de miçangas chamado menat. Como animal, ela aparece novamente como uma vaca, com um ankh (um símbolo da vida eterna). Ela também tem outra forma animal, a de um leão feroz.
Ela era conhecida também como 'Senhora da Melodia', 'Dama das Virgens e 'A Dourada', entre outras denominações. Ela era uma deusa muito popular porque o humor do povo egípcio era de fato dependente dela. Quando ela estava fora, o clima tornava-se amargo e azedo, e quando voltava, trazia com sua risada, alegria e beleza.
Segredo: Pode-se pensar que aqui é uma deusa egípcia mais parecida com o modelo grego, mas Hathor tem um passado sombrio. Antes de ser a deusa das coisas bonitas, era uma deusa da destruição, também conhecida como Sekmet, que tinha tanta sede de sangue humano que nem as ordens de Rá para parar de comer as pessoas não eram suficientes para detê-la.
Então Rá, em sua esperteza, tingiu muitos barris de cerveja de vermelho e derramou-a por todo o Egito. Quando Sekmet viu, ela bebeu tudo, pensando que era sangue humano. Ela ficou bêbada e caiu em um sono profundo. Quando ela acordou, não queria mais beber sangue humano (não se pode culpá-la, deve ter sido uma ressaca medonha) e se tornou Hathor. Talvez fosse para se arrepender por seus atos anteriores que ela escolheu se tornar uma deusa das coisas boas.
Hórus
Egyptian gods
Hórus é o filho do deus Osíris e da deusa Ísis. Ele geralmente é retratado com a cabeça de um falcão. Nos estágios iniciais da mitologia egípcia, havia muitos deuses falcões, mas com o tempo Hórus passou a representar todos eles. Ele é considerado um deus bonito e aparece como um homem com cabeça de falcão, como na imagem acima, ou, em sua forma animal, como um falcão real.
Segredo: Algumas histórias também o descrevem como um crocodilo com a cabeça de um falcão, se você pode imaginar um animal tão bizarro!
Hórus era um deus extremamente importante e o Olho de Hórus, também conhecido como Wadjet ou Udjat, é um poderoso símbolo egípcio de proteção, bem-estar e comando real. Segundo a lenda, Hórus teve uma luta mortal com seu tio Set, irmão de Osíris. Ele perdeu o olho nessa luta, mas o olho não estava perdido. Em vez disso, o olho mágico assumiu uma busca por si mesmo. Quando os outros deuses tentaram chamar a atenção, o olho começou a chorar e suas lágrimas se tornaram o primeiro povo do Egito. É por isso que Hórus também é conhecido como o rei do Egito.
Khepri
Egyptian gods
Khepri é um deus do sol. Embora Rá seja o principal deus do sol, acredita-se que Khepri seja uma reencarnação de Rá e, como tal, ele é o deus do renascimento. Ele é descrito geralmente como um homem com uma cabeça de escaravelho, um inseto visto como sagrado na religião egípcia e, quando o escaravelho empurra suas pequenas bolas de estrume, Khepri era considerado como tendo movido a bola do sol em sua trilha, o céu.
Junto com o renascimento, Khepri também era o deus da criação, ressurreição e vida. O significado de seu nome é literalmente "Aquele que passa a existir". A raiz da palavra 'Khepri' também significa "criar".​
Segredo: A palavra para 'transformar' e 'criar' em egípcio significava também 'Escaravelho'.
Comparado com os outros deuses nesta lista, Khepri não era tão adorado e estava associado a Rá. No entanto, os amuletos de escaravelho que eram populares como jóias pelos antigos egípcios representavam Khepri, então ele era um símbolo comum.
Khnum
Egyptian gods
Khnum é um dos deuses mais antigos do panteão egípcio. Ele foi descrito como um homem com cabeça de carneiro e, segundo a lenda, ele era a fonte original do rio Nilo, uma presença incrivelmente importante e poderosa na vida egípcia, uma vez que lhes dava todo o poder como nação.
Entre outras coisas, Khnum era um deus da água, fertilidade e um "deus oleiro" da criação. Segundo a lenda, ele criou os primeiros filhos (não se sabe o que eles fizeram antes disso ...) com argila que ele tirou das margens do rio Nilo e colocou no ventre das mulheres.

Ele era um poderoso deus criador, e as histórias posteriores o descreveram como tendo criado os outros deuses ou os moldado. Ele também é conhecido como "Oleiro Divino" e, mais impressionante, o "Senhor das Coisas Criadas por Si Mesmo" (um pouco longo em um cartão de visita). As inundações do Nilo também foram colocadas aos pés de Khnum, e, portanto, os egípcios provavelmente oravam furiosamente a ele durante os dias chuvosos de inverno, pedindo-lhe que cedesse e moderasse sua fúria.
Segredo: as crianças egípcias costumavam invocá-lo como protetor e o chamavam de Khnum-Khufwy, que significa 'Khnum é meu protetor'.
Amon
Egyptian gods
Amon é outro deus antigo, entre os mais antigos, na verdade. Ele era um deus muito poderoso e era frequentemente combinado com o deus rei Rá para se tornar o deus supremo Amon-Rá, a mais poderosa de todas as encarnações de Rá. No final, no entanto, ele foi frequentemente combinado com o deus Hórus.
Muitos pesquisadores acreditam que o culto a Amon se tornou tão poderoso no Egito antigo que ameaçou o culto principal de Rá, o maior culto no Egito, e é por isso que esses dois deuses foram combinados como Amon-Rá, o criador do universo e o protetor pessoal do faraó. Ele também era conhecido como o deus da guerra.
Pensa-se que Amon tenha criado a si mesmo e criado todo o resto, permanecendo separado do mundo. Nesse sentido, ele é o criador mais antigo, a divindade indivisível. Quando mostrado em forma humana, ele é representado sentado em um trono e usando um círculo simples, do qual saem duas plumas retas, talvez representando as penas da cauda de um pássaro. Como ele é um deus do vento, isso faz um certo sentido simbólico.
Segredo: Amon começou como um culto em Tebas, onde era conhecido como o deus pai, ao lado de Mut como a deusa mãe. Completando o trio da família estava o deus da lua Khonsu, seu filho.
Sobek
Egyptian gods
Sobek é um deus crocodilo do Nilo. Ele é mais frequentemente descrito como um homem com a cabeça de um crocodilo. Nos templos onde eles adoravam Sobek, eles costumavam manter crocodilos vivos e alimentá-los em sua homenagem. Sobek era adorado sempre que o Nilo estava causando problemas, ou não fornecendo comida suficiente, não fornecendo água boa, inundando ou, é claro, tendo muitos crocodilos assassinos.
Por causa de Sobek, os crocodilos eram mantidos como animais sagrados pelos egípcios, eles os mumificavam, os tratavam como animais domésticos até e os adornavam com tornozeleiras e jóias. Os egípcios acreditavam que, se um crocodilo aceitasse sua comida, agradaria a Sobek.
Segredo: Quando o deus Osíris foi morto e cortado em pequenos pedaços, Sobek, sendo um deus faminto dos crocodilos, não pôde deixar de comer um pequeno pedaço do deus. Como punição, sua língua foi cortada, e é por isso que todos os crocodilos não têm línguas, de acordo com o folclore egípcio.
Thoth
Egyptian gods
Por fim, mas definitivamente não menos importante, chegamos ao deus Thoth. Thoth era uma divindade de escribas e intelectuais. Dizem que ele nasceu do crânio de Set e do coração de Rá. Segundo a lenda, Thoth era a voz de Rá, traduzindo sua vontade indomável em palavras e comandos.
É devido a Thoth, segundo o mito, que temos 365 dias e não 360. A história diz que Rá, o deus-rei, proibiu a deusa Nut de ter filhos em qualquer dia do ano. o ouvir isso, o sábio Thoth foi ao deus da lua Khonsu, filho de Amon, e astuciosamente o levou a adicionar mais 5 dias, conhecidos como os 'dias do demônio', quando Nut pode ter filhos.
Sua contraparte feminina era uma deusa chamada Seshat. Ela também era conhecida como a inventora de hieróglifos, enquanto Thoth os ensinava. Dizia-se também que ela era esposa ou filha de Thoth. 
Segredinho: Costumava haver uma comemoração de 5 dias para Thoth no Egito, durante as dinastias mais antigas. Os fiéis elaboravam feitiços e cantavam hinos em sua homenagem. Esse tipo de coisa pode subir à cabeça de um deus!
 
 
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade