header print

Fábulas Menos Conhecidas Mas Igualmente Sábias de Esopo

O Editor: Laura Dias

 As Fábulas de Esopo têm sido parte da forma como cada um de nós cresceu, de uma forma ou de outra. Mesmo que não tenhamos percebido isso. Fábulas são apenas contos que nos ensinam algo importante. Todos estão familiarizados com a história da “Tartaruga e a lebre”, que nos lembrou que a lentidão e a estabilidade sempre podem vencer a corrida, e até “O menino mentiroso e o lobo'”, para nos alertar sobre os perigos da mentira.

Estes são alguns exemplos dos contos mais conhecidos de Esopo, um filósofo grego e contador de histórias do quinto século aC. Muitas das Fábulas de Esopo têm muito a nos ensinar até hoje. Nós escolhemos as nossas favoritos para você.

1. As asas e os cisnes

contos antigos

"Os papagaios dos tempos antigos, assim como os cisnes, tiveram o privilégio de cantar. Mas, ouvindo o relincho do cavalo, ficaram tão encantados com o som que tentaram imitá-lo; e, ao tentarem fazê-lo, esqueceram-se de como cantar."
 

O desejo por benefícios imaginários envolve muitas vezes a perda das bênçãos presentes.

Quanto mais nos movemos em direção ao que achamos ser algo de que precisamos, perdemos o que temos, e esquecemos o que aprendemos, e isso sempre será em nosso dano.

2. O caçador de pássaros e a Víbora

contos antigos

"Um caçador de pássaros colocou visco em raminhos e começou a caçar pássaros. Vendo um "turdus" (espécie de pássaro) em uma árvore muito alta, tentou pegá-lo ajustando seus galhos a um comprimento adequado. Sem tirar os olhos do pássaro, colocou um dos raminhos com visco num galho da árvore. Enquanto olhava para cima, ele, sem saber, pisou em uma víbora que dormia perto dos seus pés. A víbora, virando-se, feriu-o numa perna. Sentindo o veneno dominando seu corpo, o homem disse para si mesmo: "Ai de mim! que enquanto eu pretendia caçar, eu mesmo caí desprevenido nas armadilhas da morte. ”

Quando tentamos prejudicar alguém, nos distraímos com nosso terrível objetivo e abrimos nossa guarda para sermos prejudicados pelas coisas que ignoramos.

3. O Vento do Norte e o Sol

"O Vento do Norte e o Sol tiveram uma longa discussão sobre qual era o mais poderoso e, depois de muito tempo, concordaram em que o vencedor seria aquele que primeiro conseguisse separar um certo viajante de seu longo casaco. O Vento do Norte foi o primeiro a tentar e soprou com todas as suas forças, mas quanto mais soprava, mais o viajante se envolvia em seu longo casaco. Até que finalmente resignando toda esperança de vitória, o Vento chamou o Sol para ver o que ele poderia fazer. O Sol apareceu de repente com todo o seu calor. O Viajante, assim que sentiu seus os fortes raios, tirou uma peça após a outra e, por fim estava despido e banhado em um riacho que jazia em seu caminho."

A persuasão é melhor que a força.

Por mais que tentasse, quanto mais o Vento do Norte soprava, mais apertado o Viajante segurava seu manto. Toda a força do mundo não pode fazer um homem tirar o casaco e deixar-se sucumbir aos ventos frios. Todos nós nos movemos mais rapidamente em direção àquilo que nos proporciona algum conforto, independentemente dos esforços dos outros.

4. O Leão, o Lobo e a Raposa 

contos antigos

"Um leão, envelhecendo, adoeceu em sua caverna. Todos os animais vieram visitar seu rei, exceto a raposa. O Lobo, portanto, achando que tinha uma oportunidade de capital, acusou a raposa de não prestar qualquer respeito àquele que tinha o domínio sobre todos eles e de não vir visitá-lo. Naquele exato momento a Raposa entrou e ouviu essas últimas palavras do Lobo. O Leão rugiu furioso contra ele. Enquanto isso, a Raposa buscou a oportunidade de se defender e disse: “E quem dentre todos aqueles que vieram a você, o beneficiou tanto quanto eu, que viajou de um lugar para outro em todas as direções? E ainda procurou e aprendeu com os médicos os meios de curá-lo? ”O Leão ordenou-lhe imediatamente que lhe dissesse a cura e então a raposa respondeu: Você deve esfolar um lobo vivo e envolver sua pele ainda quente ao seu redor ”. Imediatamente o lobo foi levado e esfolado. A raposa, virando-se para ele, disse com um sorriso: "Você deveria ter induzido o seu mestre para o bem e não para o mal".

Quando nosso objetivo é espalhar a crueldade e prejudicar os outros, inadvertidamente, trazemos essa crueldade e dano em nossas próprias vidas. Devemos sempre nos esforçar para fazer com que os que nos rodeiam desejem coisas boas, para que nossas vidas também sejam enriquecidas por sua bondade.

5. Os Pássaros, as Feras e os Morcegos

contos antigos

"Os pássaros travavam guerra contra os animais terrestres, e cada um deles era, por sua vez, se considerava o  mais forte. Um morcego, temendo as questões incertas da luta, sempre lutava do lado que ele sentia ser o mais forte. Quando a paz foi proclamada, sua conduta enganosa era evidente para ambos os combatentes. Consequentemente, chegando o momento da punição dos traidores, ele foi expulso da luz do dia, e daí em diante se escondeu em esconderijos escuros, voando sempre sozinhos e à noite ”.

Aqueles que não podem escolher seus inimigos também não podem escolher seus amigos, e seu engano levará a sua solidão.

6. O trompetista levado prisioneiro  

"Um trompetista, liderando bravamente os soldados, foi capturado pelo inimigo. Ele gritou para seus captores: “Ora, poupe-me e não tire minha vida sem motivo ou sem questionamento. Eu não matei um único homem da sua tropa. Eu não levo nada além desta trombeta de bronze. ”“ Essa é a razão pela qual você deve ser morto ”, disseram eles; “Pois, enquanto você não luta contra si mesmo, a sua trombeta agita todos os outros para a batalha.”

O homem que estimula os outros a lutar ainda é um soldado, mesmo que nenhuma arma toque suas mãos. As armas são apenas os meios pelos quais o dano se espalha, quando o dano é o desejo do homem. O desejo de prejudicar é em si mesmo mais destrutivo do que o dano realmente infligido.

7. O pardal e a lebre

contos antigos

"Uma lebre atacada por uma águia soluçou muito e soltou gritos como um filhote. Um pardal a censurou e disse: "Onde está agora a sua notável rapidez? Por que os seus pés estavam tão lentos?" Enquanto o Pardal falava assim, um falcão de repente o agarrou e o matou. A Lebre foi consolada em sua morte e expirando disse: "Ah! vocês que ultimamente, quando se consideraram bem seguros e exultaram sobre minha calamidade, têm agora razão para deplorar uma infelicidade similar. "

Quando nos alegramos com a miséria dos outros, muitas vezes trazemos a mesma desgraça para nós mesmos.

8. A pulga e o boi

contos antigos

"Uma pulga questionou um boi: “O que lhe aflige é que, sendo tão grande e forte, você se submete aos maus tratos que recebe dos homens e é escravos deles dia após dia, enquanto eu, sendo uma criatura tão pequena, me alimento impiedosamente de sua vida, carne e sangue sem restrição. O Boi respondeu:“ Eu não desejo ser ingrato, pois sou amado e bem cuidado pelos homens, e eles frequentemente acariciam minha cabeça e ombros. Ai de mim!, disse a pulga; "Este mesmo tapinha que você gosta, sempre que acontece comigo, traz consigo a minha destruição inevitável."

Apesar de toda a nossa grandeza, precisamos da ajuda daqueles que nos rodeiam para sobreviver, pois não podemos todas as coisas porque temos nossas próprias fraquezas. É melhor não superestimar seus pontos fortes, pois a recompensa dada a um outro pode ser sua fraqueza.

9. Os bens e os males

contos antigos

"Todos os Bens foram uma vez expulsos pelos doentes da parte comum que cada um deles tinha nos assuntos da humanidade; pois os doentes, em razão de serem muitos, haviam prevalecido para possuir a terra. Os Bens foram então até ao céu e pediram uma justa vingança contra seus perseguidores. Eles pediram a Júpiter que não pudessem mais ser associados com os doentes, já que ambos não tinham nada em comum e não podiam viver juntos, mas viviam em guerra incessante; e que uma lei indissolúvel poderia ser estabelecida para futura proteção dos Bens. Júpiter concedeu o pedido e decretou que doravante os Ill deveriam visitar a terra em companhia uns com os outros, mas que os Bens deveriam, um a um, entrar nas habitações dos homens. Daí resulta que abundam os males, pois não vêm um a um, mas sim em tropas, e de modo algum sozinhos. Enquanto que os Bens procedem de Júpiter e são dados, não iguais a todos, mas separadamente de um a um para aqueles que são capazes de discerni-los."

Coisas ruins vêm em grande número, pois são encontradas em todos os lugares e em todas as coisas, enquanto o bem é encontrado em poucos lugares, apenas para aqueles que entendem seu poder, pois o poder de algumas coisas realmente boas é muito maior que o de todos os males .

10. As duas bolsas

contos antigos

"Todo homem, de acordo com uma lenda antiga, nasce no mundo com duas bolsas penduradas em seu pescoço: a da frente cheias dos defeitos de seus vizinhos, e uma grande sacola atrás cheia de suas próprias falhas. Por isso, é que os homens são rápidos em ver as falhas dos outros e, no entanto, muitas vezes são cegos para suas próprias falhas."

As falhas dos outros estão bem na nossa frente, enquanto as nossas falhas tendem a estar escondidas. É somente quando escolhemos ver nossas próprias falhas primeiro que podemos aliviar o fardo que carregamos.

11. O mosquito e o touro

contos antigos

"Um mosquito pousou no chifre de um touro e ficou lá muito tempo. Assim que estava prestes a voar, ele fez um zumbido e perguntou ao touro se gostaria que ele fosse. O Touro respondeu: "Eu não sabia que você tinha vindo, e eu não sentirei sua falta quando você for embora."

Alguns homens são mais importantes aos seus próprios olhos do que aos olhos do próximo.

A maioria de nossas suposições sobre os sentimentos de outros em relação a nós é baseada inteiramente em nossa própria percepção. Vivemos em paz com aqueles que nos rodeiam, mas criamos guerras em nossas próprias mentes, acreditando que estamos fazendo um barulho muito maior do que realmente somos.

12. O homicida

contos antigos

"Um homem cometeu um assassinato e foi perseguido pelos amigos do homem que ele assassinou. Ao chegar ao rio Nilo, ele viu um Leão na margem e, tendo medo, subiu em uma árvore. Ele então encontrou uma serpente nos galhos mais altos da árvore e, novamente, ficando muito alarmado, atirou-se no rio, onde um crocodilo o pegou e comeu. Assim, a terra, o ar e a água recusaram abrigo a um assassino."

Tirar uma vida é ferir as vidas de todos ao redor e sacudir a fundação do próprio mundo em que vivemos. Quando um assassino não demonstra empatia, o mundo responde da mesma maneira.

13. O corvo e a ovelha

contos antigos

"Um corvo problemático sentou-se nas costas de uma ovelha. A Ovelha, muito contra sua vontade, a carregou para todo lado por um longo tempo, e finalmente disse: “Se você tivesse tratado um cão desta maneira, você teria experimentado o terror de seus dentes afiados”. E o corvo respondeu: “Eu desprezo os fracos e cedo aos fortes. Sei quem posso intimidar e a quem devo adular; e assim prolongo minha vida até uma boa velhice. ”

A maior lição que um corvo poderia te ensinar: escolha bem seus amigos, escolha seus inimigos melhor ainda.

14. O Lobo e o Leão

contos antigos

"Vagando pela encosta da montanha ao pôr-do-sol, um Lobo viu sua própria sombra tornar-se muito estendida e ampliada, e então disse para si mesmo:" Para que eu sou tão imenso e tenho quase 4 metros de cumprimento? "Eu deveveria ser reconhecido como Rei de todas as bestas, não deveria? Enquanto ele estava se entregando a esses pensamentos orgulhosos, um Leão caiu sobre ele e o matou. Agonizante ele exclamou com um arrependimento tardio: Miserável, esta superestimação de mim mesmo é a causa da minha destruição."

Quando nos exaltamos e inchamos nossos peitos com orgulho, arrogância e desprezo pelos outros, nos tornamos um alvo para aqueles mais fortes que nós.

15. A Formiga e a Pomba

"Uma formiga foi à margem de um rio para matar sua sede e, sendo levada pela correnteza do rio, estava prestes a se afogar. Uma pomba sentada em uma árvore pendendo sobre a água arrancou uma folha e deixou-a cair no córrego perto da formiga. A formiga subiu e flutuou em segurança para a margem. Logo depois, um passarinho chegou e se preparou para ir contra a Pomba que ainda estava nos galhos. A formiga, percebendo a movimentação, picou-o o pé. Com dores, o passarinho fez barulho que chamou a atenção da Pomba, cuja reação foi logo se afastar."

Duas lições muito importantes a serem aprendidas desta fábula: O bem vem para aqueles que fazem o bem. E a outra é: sempre é importante retribuir a gentileza dada a você.

16. O Leão, Júpiter e o Elefante

contos antigos

"O leão cansou Júpiter com suas frequentes queixas. “É verdade, ó Júpiter!”, Ele disse, “que sou gigantesco em força, bonito em forma e poderoso em ataque. Eu tenho mandíbulas bem providas de dentes, e pés providos de garras, e eu domino sobre todas as feras da floresta, e a desgraça é, que sendo como eu sou, não deveria estar assustado com o canto de um galo. Júpiter respondeu: “Por que você me culpa sem uma causa? Eu lhe dei todos os atributos que possuo e sua coragem nunca falha, a não ser neste único caso. Ao ouvir isso, o Leão gemeu e lamentou muito e, recriminando-se com sua covardia, desejou a morte. Quando esses pensamentos passaram por sua mente, ele encontrou um elefante e chegou perto de conversar com ele. Depois de algum tempo, ele observou que o Elefante sacudia os ouvidos com muita frequência, e perguntou qual era o problema e por que suas orelhas moviam-se com tanto tremor de vez em quando. Nesse exato momento, um mosquito pousou na cabeça do elefante e ele respondeu: “Você vê aquele pequeno inseto zumbindo? Se entrar no meu ouvido, meu destino está selado. Eu deveria morrer agora. ”O Leão disse:“ Bem, uma vez que uma besta tão grande tem medo de um mosquito minúsculo, eu não vou mais reclamar, nem desejar morrer. Eu me encontro, como estou, melhor do que o Elefante. ”

Todos nos tornamos sobrecarregados com os problemas que enfrentamos e os desafios que não podemos superar, mesmo o rei da selva. É por isso que é importante lembrar que todos estão enfrentando uma batalha e há sempre pessoas no mundo que estão em situação pior do que você.

17. Os dois cães

contos antigos

"Um homem tinha dois cães: um cão de caça, treinado para ajudá-lo em seus esportes, e um cão de pastoreio, ensinado a vigiar a casa. Quando ele voltava para casa depois de um bom dia de esporte, ele sempre dava ao cão que guardava a casa uma grande parte do que havia conseguido na caça. O outro cão, sentindo-se muito ofendido com isso, repreendeu seu companheiro, dizendo: “É muito difícil ter todo esse trabalho, enquanto você, que não ajuda na caça, desfruta dos meus esforços.” O cão da casa respondeu: “Não me culpe, meu amigo, mas critique o mestre, que não me ensinou a trabalhar, mas a depender da subsistência do trabalho dos outros”.

As crianças não devem ser culpadas pelas falhas de seus pais.

Há um ditado que diz: “Dê um peixe a um homem e ele come por um dia. Ensine um homem a pescar e ele nunca mais sentirá fome.”. Os pais são os primeiros professores com os quais os jovens aprendem as principais lições da vida, que determinarão como eles serão no futuro.

18. O Veado doente

contos antigos

"Um Cervo doente estava deitado num canto sossegado do pasto. Seus companheiros vieram em grande número para inquirir sobre sua saúde, e cada um se serviu de uma parte do alimento que havia sido colocado para seu uso; de modo que ele morreu, não da sua doença, mas por não ter o que comer."

Companheiros maus trazem mais dor do que lucro.

É importante estar atento a quem você mantém por perto, como muitos procuram ganhar com a sua perda, e o maior sofredor será você.

19. O urso e os dois viajantes

contos antigos

"Dois homens estavam viajando juntos, quando um urso de repente os encontrou em seu caminho. Um dos homens subiu rapidamente em uma árvore e se escondeu nos galhos. O outro, vendo que o ataque seria iminente, caiu no chão e se fingiu de morto. Quando o Urso se aproximou, logo o farejou todo com seu focinho, enquanto o homem caído prendeu a respiração e se fingiu de morto tanto quanto pode. O Urso logo o deixou, pois sabe-se que ursos não tocam coisas mortas. Quando o urso se fez completamente ausente, o outro Viajante desceu da árvore e perguntou, de forma jocosa, ao amigo o que o urso havia sussurrado em seu ouvido. O viajante sobrevivente respondeu: "O Urso me deu esse conselho: nunca viaje com alguém que te abandona na hora do perigo”.
 

O infortúnio testa a sinceridade dos amigos.

Um amigo na necessidade é um amigo de verdade. Um amigo que abandona você em um momento de necessidade, no entanto, não é amigo de forma alguma.

20. O homem e o leão

contos antigos


"Um homem e um leão viajaram juntos pela floresta. Eles logo começaram a se gabar de sua respectiva superioridade de um sobre o outro em força e destreza. Enquanto eles estavam discutindo, passaram por uma estátua esculpida em pedra de um leão sendo estrangulado por um homem. O viajante apontou para a estátua e disse: “Veja lá! Quão fortes somos e como prevalecemos sobre o rei da selva. ”O Leão respondeu:“ Esta estátua foi feita por um de vocês homens. Se nós, Leões, soubéssemos erigir estátuas, o Homem seria colocado sob as garras do Leão ”.

Uma história é boa, até que outra seja contada.

Costuma-se dizer que a história é contada pelos vencedores. No entanto, o destino vem com muitas reviravoltas. É importante lembrar que, uma vez que você tenha sido o vencedor, mais tarde poderá facilmente se tornar o derrotado. Então é melhor não se concentrar em apenas uma história!

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade