header print

8 Casamentos reais sem "felizes para sempre"

O Editor: Anna D.
 A instituição do casamento é sagrada e significa um importante vínculo de amor, lealdade e parentesco. Tem conotações religiosas e contratuais e vem com seu próprio conjunto de responsabilidades e benefícios. No entanto, no caso de membros da Monarquia, o casamento pode vir com um conjunto totalmente diferente de deveres, implicações, demandas e obrigações. Esse novo espectro de demandas que o casamento suscita para esses casais reais muitas vezes pode resultar nos fundamentos iniciais da união (você se lembra, eram amor, lealdade e parentesco) sendo colocados em segundo plano e esquecidos por completo. Aqui estão alguns exemplos de casamentos reais da história, distantes e recentes, que terminaram em divórcio e, em alguns casos, tragédia.
 

1. Princesa Margaret e Antony Armstrong-Jones

Casamentos reais sem happy ending
Princesa Margaret (esquerda) por Nijs, Wikimedia Commons, e Lord Antony Armstrong-Jones (direita) por Koch, Wikimedia Commons  

Vamos começar com a família real britânica, uma com a qual a maioria de nós está familiarizada. A princesa Margaret era irmã da rainha Elizabeth II, que subiu ao trono quando seu pai, George VI, faleceu. Seu pai era irmão do rei Eduardo VIII, decidiu abdicar de seu trono para se casar com uma mulher divorciada, Wallis Simpson.

A regra permanente na época era que nenhum membro da família real podia ter relação com um divorciado e ainda manter sua dignidade ou título (felizmente, os tempos mudaram). Logo após a irmã ser coroada, a princesa Margaret conheceu Peter Townsend, um oficial da força aérea, ás voador, que acabava de sair de um divórcio.

Eles foram tiveram um breve relacionamento, mas não foram autorizados a se casar pela Igreja da Inglaterra, da qual a rainha Elizabeth II é a chefe suprema. Margaret casou-se então com o fotógrafo Antony Armstrong-Jones e viveu uma vida aparentemente feliz com ele, enquanto ambos desfrutavam de casos fora do casamento. Finalmente, em 1978, o casal se divorciou e a princesa Margaret, um símbolo da realeza infeliz, ficou com o peso do julgamento e da publicidade negativa pelas duas décadas seguintes de sua vida.

 

2. Príncipe Andrew e Sarah Ferguson

Casamentos reais sem happy ending

Príncipe Andrew e Sarah Ferguson, por Queensland State Archives, Wikimedia Commons

O príncipe Andrew, irmão mais novo do príncipe Charles, também teve seus problemas conjugais bem famosos. Em julho de 1986, após cinco meses de noivado, ele se casou com uma amiga de seus tempos de infância, Sarah Margaret Ferguson. Andrew parecia bastante apaixonado e até desenhou o anel de noivado.

Como uma pessoa animada e enérgética, Sarah foi recebida pela família e, juntos como duque e duquesa de York, o casal cumpriu numerosos compromissos reais, como erea esperado. Eles tiveram duas filhas nos quatro anos seguintes, Beatrice e Eugenie. Nos dois anos seguintes, o casal começou a se separar devido às constantes viagens do duque.

Depois de reveladas fotos comprometedoras da Duquesa com outros homens e surgirem histórias nos tablóides, os dois se separaram em 1992 e finalizaram seu divórcio 4 anos depois, em 1996. Porém, o tempo cura todas as feridas. Eles continuam bons amigos e mantêm um relacionamento saudável com as duas filhas.

 

3. Princesa Anne e Mark Phillips

Casamentos reais sem happy ending

Princess Anne (esquerda) pela Marinha dos EUA, Wikimedia Commons e Mark Phillips (direita) por Antonisse, Wikimedia Commons

A princesa Anne é a irmã mais nova do príncipe Charles e a irmã mais velha do príncipe Andrew. Ela conheceu Mark Phillips em uma festa em 1968 para os entusiastas de cavalos, e 5 anos depois, eles se casaram na Abadia de Westminster em uma cerimônia televisionada vista por aproximadamente 100 milhões de pessoas.

Ele foi então nomeado capitão interino, mas não recebeu o título de Conde. A princesa Anne e Mark Phillips tiveram dois filhos, ambos nascidos sem títulos devido ao pai ter recusado o condado. No entanto, em 1989, os dois anunciaram sua intenção de se separar. Surgiram rumores de grande tensão entre o casal e de envolvimentos românticos com outras pessoas.

Os dois permaneceram separados com a guarda compartilhada de seus filhos por três anos, durante os quais anunciaram que não estavam planejando se divorciar. No entanto, em 1992, eles concluíram o processo de divórcio, e Anne casou-se com Timothy Laurence, cavalariço da rainha com quem ela mantinha um relacionamento nos últimos três anos.

 

4. Princesa Diana e Príncipe Charles

Casamentos reais sem happy ending
O príncipe e a princesa de Gales, por Elke Wetzig, Wikimedia Commons

Dos três filhos da rainha Elizabeth II, talvez o que que teve o mais infame casamento e divórcio tenha sido o príncipe Charles, o mais velho dos três. Diana Frances Spencer nasceu da nobreza britânica e, embora não fosse acadêmica, era talentosa nas artes da dança e da música, além do atletismo. Em 1981, após um breve relacionamento e namoro, ela se casou com o príncipe Charles, o príncipe de Gales.

Ao longo dos anos, seu altruísmo e natureza caridosa a tornaram extremamente popular como a Princesa de Gales. No entanto, o casamento entre Charles e Diana começou a desmoronar à medida que a relação entre os dois diminuía, em parte devido à diferença de idade e incompatibilidades, e também devido a casos extraconjugais iniciados por ambos.

Em 1992, o casal anunciou sua separação, quando ambos os príncipes William e Harry já haviam nascido. Em 1996, o divórcio dos dois foi finalizado, e ambos continuaram com seus respectivos relacionamentos. Diana continuou com seu trabalho de caridade e ativismo até sua morte prematura num acidente de carro, um ano depois.

 

5. George I da Inglaterra e Sophie Dorothea de Celle

Casamentos reais sem happy ending
(Por Godfrey Kneller, Wikimedia Commons)  

Voltando a uma era diferente, vamos dar uma olhada em alguns reis e rainhas mais antigos.

Em 1714, George I foi coroado rei da Grã-Bretanha e Irlanda. No entanto, ele foi casado com Sophia Dorothea quase 35 anos antes de sua coroação como rei, em 1682. Na época, ele era o Príncipe de Hannover, na Alemanha, e sua noiva foi selecionada por sua mãe, que considerava a jovem Sophia uma parceira adequada, apesar da diferença de idade e falta de compatibilidade.

A antipatia que o rei George mantinha em relação à jovem noiva não era um grande segredo, e ele muitas vezes a atormentava abertamente e exibia suas amantes diante dela. Naturalmente, Sophia então começou um caso com um conde sueco, que a tratou gentilmente, ao contrário do marido. Acontece que, enquanto os casos eram atitutes aceitáveis para o príncipe, sua esposa não tinha tais liberdades.

Apesar de não sentir amor verdadeiro por sua esposa, a idéia de ela ter um caso com outro homem o enfureceu. Se isso foi devido a um sentimento de amor por ela ou simplesmente por seu ego ferido, ainda é discutível. Em 1694, quando George ainda era Príncipe de Hannover e ainda não estava na fila da coroa inglesa, ele se divorciou de Sophia, mas não parou por aí. Seu castigo que ele deu a ela por trai-lo foi prisão perpétua.

Esse homem continuaria a governar a Grã-Bretanha e a Irlanda. Infelizmente, ele não foi o pior de todos. 

 

6. Henrique VIII e Catarina de Aragão, Ana Bolena, Jane Seymour, Ana de Clèves, Catarina Howard e Catarina Parr

Casamentos reais sem happy ending

O rei Henrique VIII da Inglaterra conquistou a coroa em 1509 aos 18 anos e governou até sua morte aos 56 anos. Henrique ganhou muita notoriedade por seu comportamento rude e cruel como marido. Anne Bolena, uma das rainhas mais reverenciadas da história da monarquia britânica, ganhou muita fama pelo tratamento cruel que recebeu nas mãos de seu marido, Henrique VIII. Curiosamente, Anne Bolena não foi sua primeira esposa, mas sua segunda. A primeira foi Catarina de Aragão. As outras quatro que seguiram também sofreram destinos igualmente tristes.

Como seu histórico mostraria, Henry não estava destinado a ser feliz ou permitir que suas esposas desfrutassem de qualquer aparência de um casamento feliz. De fato, pelo contrário, qualquer mulher casada com Henry se via enfrentando tragédia, perda, sofrimento ou morte. Das cinco esposas seguintes, duas foram mortas por ele (Ana Bolena e Catarina Howard), duas foram divorciadas por ele (Catarina de Aragão e Ana de Cléves), que talvez tenham saído pelo caminho mais fácil, e uma pereceu ao dar à luz um filho (Jane Seymour). Mesmo no final de sua vida e depois de ter perdido inúmeras esposas, Henry estava determinado a continuar sua busca insana por amor.

Aos 49 anos, enquanto sofria de inúmeras condições de saúde, Henry encontrou e prontamente se casou com uma adorável jovem chamada Catherine Howard, que não tinha mais de 16 ou 17 anos. Naturalmente, essa jovem se afastou do casamento com o rei, em grande parte devido à sua significativa diferença de idade e às pressões de ter que ser rainha de um rei muito mais velho. Depois de ser acusada de ter um caso com um homem chamado Thomas Culpepper, o marido, seu rei, a decapitou em 1542, dois anos depois do casamento.

7. Tamar da Geórgia 

Casamentos reais sem happy ending
(Por Mihály Zichy, Wikimedia Commons

A rainha Tamar da Geórgia era uma governante corajosa e única, na medida em que lhe era permitido governar livremente ao lado de seu pai até sua morte em 1184, quando Tamar tinha apenas 24 anos. Como filha única e única herdeira do trono de seu pai, ela se tornou a rainha e soberana, para desgosto de muitos cidadãos em seu governo. Eles argumentavam que uma mulher sozinha não era suficiente para governar, e um príncipe adequado devia estar ao seu lado.

Um homem foi encontrado, Yuri Bogolyubsky, e rapidamente se casou com a rainha. Para grande consternação, desgosto e choque dos cidadãos, Yuri se envolveu em inúmeros casos ilícitos, imoralidades pública e privada vício em álcool e muitas outras atividades não condizentes com sua posição. Não demorou muito para a rainha Tamar e seu povo perceberem que ele era um partido inadequado para a rainha e a coroa.

Ela anulou o casamento depois de 2 anos após o casamento e o proibiu o ex-marido de entrar na cortel. Ele reuniu o maior número de cidadãos que pôde, e que escutavam seus discursos enfurecidos e insultantes e tentou fazer uma rebelião contra a rainha Tamar. De nada adiantou, pois a rainha era uma governante justa e forte e governou seu povo com graça e vitalidade até sua morte em 1213.

 

8. Henrique II e Leonor da Aquitânia

Casamentos reais sem happy ending

(Por Adam Bishop, Wikimedia Commons)

Henrique II teve um amor infeliz que ninguém esperava que fosse acontecer. No momento em que ele conheceu e se apaixonou por Eleanor da Aquitânia, ela ainda era casada com o rei da França. Em 1152, antes de Henry tomar seu lugar no trono, Eleanor anulou seu casamento com o então marido e ela e Henry se casaram pouco depois, com os corações batendo apaixonados.

No entanto, com o passar dos anos, as batidas dos corações apaixonados foram enfraquecendo e Henrique ficou cada vez menos interessado por sua esposa. Vinte anos depois, Henrique andava abertamente com suas amantes à corte, em flagrante desrespeito à sua esposa. Não desejando desempenhar o papel de esposa complacente e tímida, ela convenceu seus filhos a liderar uma rebelião contra o rei e derrubá-lo.

Seus esforços falharam e o rei manteve seu trono. Por seu papel na rebelião, Henrique II a prendeu pelo que deveria ter sido a totalidade de sua vida. No entanto, a morte dele ocorreu antes da dela e, após o fato, os filhos libertaram a mãe da prisão.

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade