header print

Positividade Tóxica: a tirania da felicidade constante

O Editor: Anna Davidson
  "Gratiluz." "Apenas boas energias." Nas redes sociais, essas frases se tornaram as hashtags que dão a tônica da vida que muita gente leva ou quer levar fora do Instagram e do Facebook, livre dos maus sentimentos e de "gente que não soma". De repente, expressar irritação, nervosismo ou aborrecimento não rende likes nem pega bem na mesa do bar.  Todo o mundo tem que ser feliz 24/7, e emitir apenas "boas vibrações".
Isso se chama positividade tóxica, um termo que se popularizou nas redes sociais e que, de acordo com especialistas, faz sentido em um mundo que se esquece que a vida é feita de altos e baixos.
 
"Olhar para o lado positivo de uma situação é uma ideia que tem se difundido na internet e, em certos momentos, acaba se tornando um extremo. Ser positivo não é ignorar os problemas que existem, mas sim conseguir vislumbrar, mesmo em situações difíceis, saídas melhores e conseguir observar aquela situação a partir de outras perspectivas. Não é lidar apenas e exclusivamente com as coisas positivas do mundo, porque a vida não é assim", fala Yuri Busin, psicólogo especializado em terapia cognitivo-comportamental. "O ponto-chave é saber lidar com as oscilações da vida."
 
Positividade tóxica
A positividade tóxica, embora domine as redes sociais, não surgiu ali. O livro "O Segredo", de Rhonda Byrne, ainda é um best-seller 13 anos depois de seu lançamento porque vende uma fórmula mágica para conseguir alcançar seus objetivos: pensar positivo. 
Yuri Busin pensa que ser uma pessoa positiva não faz mal algum. "É muitíssimo benéfico, é uma perspectiva de vida muito valiosa, mas ela não pode nos cegar." O perigo mora no exagero. "Quando ignoramos uma questão problemática, ela tende a crescer e a explodir. Uma pessoa que simplesmente não quer olhar algo que precisa resolver pode sofrer muito mais com isso lá na frente", afirma. Em uma tentativa de tentar "bloquear" qualquer energia negativa, você deixa de escutar as pessoas ao seu redor. 
Positividade tóxica
"Quando um amigo seu pede para conversar e reclamar do trabalho e você se nega a escutá-lo para não ter essa 'carga negativa' sobre si, soa como falta de empatia. E, se você é pouco empático,você não está sendo nem um pouco positivo, mas sim ignorando os sentimentos de uma pessoa". Quando uma pessoa se mostra chateada porque sofreu preconceito ou alguma injustiça e lhe respondem que "isso não existe", ou que "é só ignorar essas situações negativas",estão dizendo que o que aquela pessoa viveu não importa, que a vivência dela é invisível. Isso é muito doloroso.
Positividade tóxica
 Esse tipo de postura é completamente o contrário do que a psicologia positiva afirma ser bom para o ser humano. "Muitas vezes uma pessoa não quer uma solução, mas apenas desabafar." Para evitar cair na armadilha da falta de empatia, faça uma autorreflexão; perceba se você está realmente escutando o que o outro tem a dizer, e se está dando importância para o que ele sente. "Oferecer um ombro amigo, ter uma escuta ativa, é fazer uma boa ação. Isso sim é positividade." 
Positividade tóxica

Parece inofensivo, mas a positividade tóxica bloqueia as nossas emoções que consideramos negativas. O problema é que se nos impossibilitamos de viver um sentimento, talvez ele nunca passe.

O que precisamos aprender é: está tudo bem se não estiver tudo bem.


Fontes: Uol.com , Almanaquesos.comHuffpostbrasil

 

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade