header print

A Fascinante História da Cor VERMELHA

O Editor: Anna D.
 Se houver alguma cor que possa ser considerada a mais antiga, é o vermelho. Vermelho é a primeira cor que os humanos aprenderam a utilizar na arte e uma cor que possui um profundo significado simbólico em todas as culturas. Afinal, vermelho é a cor do sangue que corre em nossas veias.
Mesmo as primeiras pinturas rupestres, algumas das quais têm até 17.000 anos, apresentam ocre vermelho, um pigmento que ocorre naturalmente com uma tonalidade marrom-avermelhada. Mas qual é o significado do vermelho entre as culturas e como o vermelho evoluiu ao longo dos tempos? Estas são as questões que exploraremos a seguir.

Vermelho Ocre - a mãe de todos os vermelhos

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
Uma pintura rupestre em Altamira, Espanha (15.000 - 16.500 aEC)
As primeiras obras de arte da história foram pintadas de vermelho. Essas primeiras pinturas rupestres, seja a vida selvagem retratada na Caverna de Altamira na Espanha ou as impressões manuais na Cueva de Los Manos, na Argentina, foram todas feitas com o mesmo material - ocre. Este pigmento que ocorre naturalmente varia de marrom-amarelado a um tom vermelho-terra, sendo o último, de longe, o mais antigo usado.
Há até evidências de Neandertais usando esse pigmento na área que agora conhecemos como Holanda, 250.000 anos atrás. Já naquela época, o ocre tinha um significado simbólico profundo. O ocre vermelho é freqüentemente encontrado perto dos túmulos desses primeiros humanos, o que aponta para o fato de que o pigmento provavelmente foi usado para marcar os túmulos dos mortos ou aplicado em seus cabelos e corpo como um ritual de luto.
Milhares de anos depois, o ocre vermelho também foi usado pelos antigos egípcios para tingir a pele de vermelho, e os antigos ceramistas chineses usavam o ocre vermelho para produzir cerâmica preta e vermelha. Mas nessa época, algumas civilizações antigas já tinham um arsenal maior de tinturas vermelhas. Eles também desenvolveram um novo pigmento vermelho mais brilhante - o cinábrio.

Cinábrio - o vermelho das civilizações antigas

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
Um mural na Vila dos Mistérios, Pompéia Fonte da imagem: CeBepuH/ Flickr
O pigmento conhecido como cinábrio tem uma tonalidade muito mais brilhante e intensa do que seu antecessor. Também conhecido como sulfeto de mercúrio, o cinábrio é feito de cristais de cinábrio triturados, altamente toxicos para a mineração e utilização. Tanto os antigos egípcios quanto os antigos romanos adoravam a cor vermelha brilhante e a usavam na decoração de casas, roupas e pinturas faciais. Exemplos de murais de cinábrio brilhantemente preservados podem ser vistos em Pompéia até hoje.
Como os povos pré-históricos, os antigos romanos deram à cor um profundo significado simbólico. O vermelho estava associado ao sangue, mas não necessariamente ao luto e à morte. Era também a cor do amor, da fertilidade e da coragem. Vermelho era a cor dos heróis e de Marte, o deus da guerra. As túnicas vermelhas eram o uniforme dos soldados romanos e os generais usavam mantos escarlates. Gladiadores vitoriosos foram pintados de vermelho e desfilaram pela cidade de Roma.
No leste, o cinábrio é sinônimo da famosa cerâmica de laca chinesa desde o século XII. Na China Antiga, a cor vermelha era e ainda é associada a boa sorte, alegria e felicidade. Os vestidos de noiva tradicionais chineses são carmesim, e o vermelho era a única cor proibida em funerais.

Vermillion - o primeiro pigmento vermelho sintético

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
 Retrato do Cardeal Pietro Bembo, de Ticiano (c. 1540)
Vermillion foi um dos pigmentos mais raros e exclusivos durante séculos. Os primeiros pigmentos de vermillion (vermelhão) foram feitos de cinábrio na China, mas com o tempo, os estudiosos chineses aprenderam a produzir vermelhão sintético. A vibrante tinta vermelha veio a ser conhecida como Vermelho Chinês.
O Vermelho Chinês viajou pela Rota da Seda. Comerciantes árabes começaram a vender o novo pigmento vermelho em toda a Europa na Idade Média. Naquela época, o vermelhão era tão caro quanto folha de ouro na Europa, então apenas as letras mais importantes dos maiores manuscritos religiosos eram decoradas com essa tinta rara e cara.
Os muitos tons de vermelho ao longo da história
Como você deve saber, o vermelho é uma das cores mais proeminentes na Cidade Proibida na China. Os portões da cidade imperial foram totalmente pintados de vermelho, por exemplo. Saber o custo do pigmento usado para decorar este palácio imperial do século 15 revela seu verdadeiro nível de luxo.
Na Europa medieval e renascentista, o vermelho tornou-se fortemente associado ao sacrifício de Jesus Cristo e ao Sangue de Cristo. Até hoje, o vermelho é a cor das vestes dos cardeais católicos, uma tradição que começou na França medieval.
Como a grande maioria da arte européia estava centrada no catolicismo na época, o vermelhão também era uma cor proeminente na arte renascentista. Infelizmente, o vermelhão fica com uma cor marrom-arroxeada escura com o tempo, razão pela qual a maioria das pinturas não apresenta o vermelho brilhante agora (a menos que tenham sido restauradas profissionalmente, é claro).

Carmim - o pigmento que veio do Novo Mundo

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
Arachne de Diego Velázquez (1659) Fonte da imagem: cea+/ Flickr
Carmim, também conhecido como "lago carmesim", é um pigmento orgânico feito de cochonilha (pequenos insetos que vivem nos cactos) seca e triturada. Os conquistadores espanhóis viram as cores vermelhas brilhantes da arte e arquitetura asteca no século 16 e começaram a exportá-las para a Europa quase imediatamente.
A valiosa exportação foi superada em preço apenas por prata e ouro. Quase todos os grandes pintores do século 15-16 - como Velázquez, Rembrandt, Anthony van Dyck, Rubens e Vermeer - usaram carmim em sua arte.
Os aristocratas europeus também se apaixonaram pelo pigmento: tingiam suas roupas com cochonilha como símbolo de sua riqueza e sangue azul. O pigmento tem uma cor carmesim profunda, mas deve ser mantido longe da luz para evitar o desbotamento. Como o carmim é um corante orgânico, ele é usado em cosméticos e alimentos até hoje.

Minium - o vermelho de Van Gogh

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
'O café noturno' de Vincent van Gogh (1888) Fonte da imagem: James Wang/ Flickr
Minium, ou "chumbo vermelho", era o pigmento vermelho usado por Vincent van Gogh. Uma vez que os compostos de chumbo presentes no minium o tornam um material altamente tóxico, alguns dos problemas de saúde física e mental de Van Gogh foram atribuídos ao envenenamento por chumbo. Mas o chumbo vermelho tem outra tendência irritante - com o tempo, ele embranquece com a luz do sol, razão pela qual muitos dos elementos vermelhos nas pinturas de Van Gogh desbotaram.
Mas Van Gogh dificilmente foi o único artista a usar o minium. O chumbo vermelho é um dos primeiros pigmentos vermelhos sintéticos. É laranja, razão pela qual foi freqüentemente usado pelos romanos em mármore, mas também pelos artistas indianos e mongóis dos séculos 17-18. Quase ao mesmo tempo, a Revolução Francesa estourou na Europa. Muitos dos revolucionários usavam bonés vermelhos e carregavam bandeiras vermelhas. O vermelho se tornou a cor do protesto, da revolução e do inconformismo - tendência que persiste até hoje.

Vermelho cádmio - o novo vermelho

Os muitos tons de vermelho ao longo da história
'O Quarto Vermelho', Henri Matisse (1908) Fonte da imagem: Gandalf's Gallery/ Flickr
O século 20 trouxe avanços tecnológicos, incluindo novos pigmentos. Em 1907, o vermelho de cádmio tornou-se comercialmente disponível. Foi uma das cores mais proeminentes usadas pelos pintores modernistas, um pigmento intenso conhecido por sua estabilidade de cor. Henri Matisse foi um dos primeiros grandes proponentes deste novo pigmento, mas artistas famosos do século 20, incluindo o famoso artista pop Andy Warhol, usaram o pigmento.
Desde então, alguns acreditavam que o pigmento era tóxico, mas pesquisas provaram que a concentração de cádmio no pigmento é muito baixa, e essas preocupações não têm fundamento. Como resultado, o vermelho de cádmio ainda é vendido em todo o mundo. Em suma, a história do vermelho é complexa e fascinante. A cor dominou a cultura visual humana por milênios e continua a dominá-la até hoje.
Compartilhe esta informação interessante com aqueles que amam história e arte!
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade