header print

A Sala do Pavão - o delírio de um artista

O Editor: Anna Davidson
 James McNeill Whistler é mais famoso pela representação de sua mãe, que se tornou uma das pinturas americanas mais reconhecidas de todos os tempos, a saber, "Composição em Cinza e Preto nº 1 (1871), comumente conhecida como "A Mãe de Whistler. Neste artigo, no entanto, vamos nos concentrar na obra-prima acidental e um tanto escandalosa do famoso pintor americano - Harmonia em Azul e Ouro: A Sala do Pavão.
Hoje, esta peça de arte no que concerne a decoração de interiores é considerada uma das maiores criações estéticas já concebidas e um excelente exemplo do estilo anglo-chinês na história do design de interiores. Mas na época de sua criação, em 1877, a sala tornou-se objeto de muita disputa e total animosidade. Vamos examinar a estranha história desta obra-prima e admirar sua beleza juntos.

A criação da Sala do Pavão​

A Sala do Pavão - o delírio de um artista

Whistler não era a primeira opção para pintar a Sala do Pavão. Originalmente, a sala foi concebida como uma sala de jantar na mansão de Londres de propriedade de Frederick Richards Leyland, projetada para abrigar a grande coleção de porcelana chinesa azul e branca da Era Kangxi do magnata britânico.

A Sala do Pavão - o delírio de um artista A princesa da terra da porcelana
Uma visão mais próxima da Princesa da Terra da Porcelana (1863-1865)
Leyland contratou Thomas Jeckyll para o trabalho, um arquiteto britânico com experiência no estilo anglo-chinês, um movimento de design inspirado na arte oriental que incorporou motivos orientais e elementos de decoração de interiores à arte inglesa, como o nome sugere. Uma das peças centrais da sala de jantar seria uma pintura de James McNeill Whistler, retratando uma linda mulher caucasiana em pé, vestindo um quimono, em meio a objetos asiáticos intitulados The Princess from the Land of Porcelain (A Princesa da Terra da Porcelana).
A Sala do Pavão - o delírio de um artista
Fonte da imagem: Amusingplanet

Enquanto o artista americano trabalhava no hall de entrada da casa de Leyland, Jeckyll quase concluiu a sala de jantar, mas foi forçado a abandonar o projeto devido a uma doença, e Whistler se ofereceu para terminar a sala. Whistler foi autorizado a fazer apenas algumas pequenas alterações - retocar as cortinas de couro com tinta dourada e embelezar as cornijas e lambris com um padrão de onda dourado - mas ele se empolgou com seu trabalho.

A Sala do Pavão - o delírio de um artista
Fonte da imagem: Amusingplanet

Nas próprias palavras do artista: "Bem, eu terminei o que tinha que fazer. E continuei - sem planejamento ou esboço - a obra cresceu à medida em que fui pintando. E no final cheguei a tal ponto de perfeição - confiando em cada toque com tanta liberdade - que quando cheguei ao canto onde comecei, por que tive que pintar parte dela novamente, pois a diferença teria sido marcado demais. E a harmonia em azul e ouro foi se desenvolvendo, você sabe, eu me deixei levar pela paixão por meu trabalho."

Como resultado, a sala de jantar foi completamente transformada, com os elementos ouro e amarelo brilhantes criando um contraste contra a base verde e azul. Quando Leyland retornou de uma viagem e viu a Sala do Pavão, ficou furioso ao pensar que as melhorias de Whistler faziam com que a sala parecesse exagerada e vulgar.

A Sala do Pavão - o delírio de um artista
Os dois brigaram intensamente: Leyland se recusou a pagar pelo trabalho, o patrocínio entre o artista e o magnata deixou de existir. A certa altura, Whistler entrou furtivamente na casa de Leyland e fez outra "melhoria" - ele pintou dois pavões em confronto, que deveriam representar o artista e seu patrono e que ele chamou de Arte e Dinheiro: ou, A História da Sala.
Por fim, a Sala do Pavão tornou-se o motivo da animosidade ao longo da vida entre os dois homens, com Whistler dizendo a Leyland a certa altura: "Ah, eu o fiz famoso. Meu trabalho viverá quando você for esquecido. Por acaso, nas obscuras eras vindouras, você será lembrado como o proprietário da Sala do Pavão."
A Sala do Pavão - o delírio de um artista

O destino da sala do pavão​

Whistler estava certo, e A Sala do Pavão se tornou uma das maiores obras-primas do artista e uma das mais magníficas decorações de interiores da história. Leyland também deve ter reconhecido o valor da sala, pois ele não modificou nada, embora nunca o reconhecesse publicamente.
A Sala do Pavão - o delírio de um artista
The Peacock Room em sua localização original (1890)
Ainda assim, o preço que os criadores da sala tiveram que pagar por sua obra-prima foi maior que eles poderiam esperar. Alguns dias depois de ver o design final da sala, o arquiteto inicial, Thomas Jeckyll, enlouqueceu ao encontrar seu trabalho original completamente coberto de folhas de ouro. Ele nunca se recuperou e morreu três anos depois. O término do relacionamento com seu maior patrocinador também levou Whistler à falência em 1879.
A Sala do Pavão - o delírio de um artista
Após a morte de Leyland, o industrial e colecionador de arte americano Charles Lang Freer comprou todo a Sala do Pavão em 1904 e a transportou peça por peça através do Atlântico para ser reinstalada em sua mansão em Detroit. Freer usou a sala como uma exibição de sua própria coleção de porcelana. Após a sua morte em 1919, a sala se tornou parte da Freer Gallery of Art no Smithsonian em Washington, DC, onde pode ser encontrada e vista até hoje.
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade