header print

Desfazendo o Mito do Vinho Tinto

Você deve ter ouvido falar que é saudável beber uma taça (ou duas) de vinho tinto acompanhando o jantar, mas você não sabe o fato científico por trás dessa sugestão. O vinho tinto contém um ingrediente chamado resveratrol, que atua sobre a prevenção de danos aos vasos sanguíneos e reduz o colesterol ruim, conduzindo, assim, a uma vida mais longa. Recentemente, esta substância foi considerada o segredo da juventude dos deuses. Porém, o que talvez você desconheça é que o resveratrol pode não estar fazendo nada disso.
 
Photo: stockimages/ freedigitalphotos.net
 
 
A primeira pesquisa acerca dos efeitos anti-envelhecimento e de longevidade do resveratrol foi publicada por Howitz e Sinclair em 2003. No seu artigo, eles declararam que, nos seus estudos com vermes e moscas, foi notado que o consumo de certa quantidade de resveratrol poderia mesmo prolongar o seu período de vida normal (que, é claro, não é muito longo). Posteriormente, em 2006, foi anunciado que a substância milagrosa poderia prolongar a vida de peixes em até 56%.
 
 
Apesar dos resultados promissores, os pesquisadores Howitz e Sinclair logo começaram a deparar-se com barreiras científicas. Também em 2006, a dupla descobriu que o resveratrol podia reverter os efeitos negativos de uma dieta rica em gorduras em camundongos. Eles alimentaram os ratinhos com óleos gordurosos e lhes deram altas doses de resveratrol para ver se isso equilibraria as disparidades entre o período de vida de ratos normais e ratos obesos.
 
 
O inconveniente desses resultados, entretanto, é que eles ainda têm que provar cientificamente em mamíferos que não estejam com sobrepeso. Na verdade, foi descoberto que o resveratrol dado aos ratos que tinham uma dieta-padrão não aumentou seu período de vida. Também foi descoberto que o resveratrol não reduziu o colesterol ruim na corrente sanguínea, mas mostrou algum efeito na manutenção dos vasos sanguíneos. Portanto, parece que beber uma taça de vinho não vai conservá-lo jovem. Mas a questão é: o que é que o resveratrol do vinho tinto faz?
 
 
 
 
Photo: Boaz Yiftach/ freedigitalphotos.net
 
 
 
Com tantas figuras públicas e revistas científicas promovendo o consumo de vinho tinto e resveratrol, à luz das recentes descobertas, ficamos nos perguntando por quê. Ainda que resveratrol não tenha influência na longevidade, há muitos benefícios que vêm junto com uma taça de vinho.
 
 
Muitas pesquisas provam que o resveratrol tem efeitos positivos e de cura para diversos tipos de câncer, incluindo os de garganta, de pele e do cólon. Foi observado pelos cientistas que o consumo de resveratrol, tanto aplicado sobre a pele quanto ingerido oralmente, auxiliava a exterminar tumores existentes e, em alguns casos, impedir o desenvolvimento futuro de alguns deles. Embora este último efeito tenha ainda que ser testado em humanos, há chances de que o resveratrol seja, potencialmente, a cura para o câncer dada pela natureza.
 
Outra evidência cientificamente testada das propriedades do resveratrol está na área do cuidado com a pele. Várias pesquisas demonstraram que a aplicação de resveratrol na pele a protege melhor contra os raios UVA e UVB, os maiores causadores do câncer de pele. Além disso, foi verificado que a aplicação de resveratrol sobre a pele provocava uma redução de 24% nas rugas profundas em 28 dias. Caso você ainda não tenha um creme anti-rugas com resveratrol, deveria logo comprar um, porque teria que beber muito vinho para obter o mesmo efeito em sua pele.
 
Photo: thephotoholic/ freedigitalphotos.net
 
 
Portanto, ainda que beber vinho não tenha nada a ver com longevidade nem beneficie particularmente o seu coração, o resveratrol, seu famoso componente, realmente tem efeitos que fazem valer a pena beber uma taça de vinho. Demolimos o mito: vinto tinto não torna sua vida mais longa, mas é gostoso, faz você sentir-se melhor e a torna mais divertida. Saúde!
 
Fonte: Giovanni M.
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer: