header print

A Beleza do Deserto do Atacama

O Deserto de Atacama, no norte do Chile, é famoso por ser o lugar mais seco do mundo. É um planalto praticamente sem chuva que possui mais de 965 quilômetros de largura e é 50 vezes mais seco que o Vale da Morte nos Estados Unidos, com uma precipitação média de apenas 1 milímetro por ano em toda a região. Entretanto, algumas estações meteorológicas nunca relataram qualquer precipitação no local desde que começaram a registrar tais dados.

A paisagem do Atacama foi esculpida pela atividade vulcânica na área e é como nenhuma outra. Quando vir as belas cores das lagoas, picos vulcânicos e vastas bacias de sal que cobrem o deserto, você vai entender por que este é um dos destinos de viagem que mais tem crescido em popularidade do mundo.

 

 

 

Vista do lago perto de Piedras Rojas, a 4000m de altitude.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Haz14
Vista sobre parte do Salar de Talar, com belos vulcões de rocha vermelha ao fundo.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Jim Trodel
Laguna Miñiques, um lago de grande altitude em uma cratera vulcânica.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de pirindao

Dado que o Deserto do Atacama é famoso por ser o local mais seco da Terra, pode ser uma surpresa para muitos encontrar uma série de lagos de grande altitude, que pontilham toda a área e proporcionam um belo contraste de cor contra as paisagens vulcânicas vermelhas. No entanto, muitas centenas de anos atrás, pequenos períodos de fortes chuvas causaram a acumulação de água em bacias e criaram pequenos lagos. Outras lagoas formadas a partir do derretimento de geleiras durante a última Idade do Gelo permanecem até hoje. Os lagos são, em geral, extremamente salgados e, como mais água evapora na área do que chove, os lagos estão tecnicamente secando - embora ainda fiquem por lá por mais algum tempo.

Vista sobre o Valle de la Muerte (Vale da Morte) perto da cidade de San Pedro.
A Beleza do Deserto do Atacama
Source: Flickr User
Valle de la Luna (Vale da Lua) é assim chamado porque a paisagem é muitas vezes comparada à nossa lua.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Alexander Schimmeck
Uma caminhada pelo deserto dá aos visitantes a sensação de estar em "outro planeta".
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Pablo Flores

Muitos visitantes vêm ao local para ver por si mesmos sua famosa paisagem "de outro mundo". E as comparações com terras distantes não são apenas estéticas - elas estão fundamentadas na ciência. Descobriu-se que as amostras de solo recolhidas do deserto possuem uma composição semelhante às amostras colhidas de Marte. A NASA até usa a área para testar veículos itinerantes e outros instrumentos antes de partir em missão para o planeta vermelho.

 

 

 

Flamingos em Laguna Chaxa.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Ana Elisa Ribeiro
As vicunhas são parentes das lhamas e vivem em grandes rebanhos perto de fontes de água.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Haz14
As viscachas são moradoras curiosas do deserto e reconhecíveis pelas suas grandes orelhas e caudas encaracoladas. Elas são parentes das chinchilas.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Haz14

Apesar das duras condições, a natureza (como tantas vezes acontece) tem encontrado uma maneira de prosperar. Muitas variedades de uma flora estranha e maravilhosa adicionam um pouco de cor à paisagem, e um grande número de espécies animais fizeram do deserto sua casa. As vicunhas, primas das lhamas, as pequenas e peludas viscachas a elusiva raposa-cinzenta-argentina estão entre os mamíferos da região, enquanto uma variedade de aves também pode ser vista, incluindo três tipos diferentes de flamingos.

Um claro dia de verão em Laguna Chaxa.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Mariano Mantel
Nuvens e vulcões de rocha vermelha que refletem nas lagoas altiplânicas do planalto.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Mike Green
Cobertos de neve, vulcões perfeitamente cônicos estão em toda parte.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Mariano Mantel

O deserto esteve no centro de uma enorme disputa de terras entre o Chile e a Bolívia, em 1800, porque a área é o lar da maior reserva de nitrato de sódio do mundo, uma lucrativa fonte de possibilidades econômicas. A indústria de mineração continua a ser um grande negócio hoje, e há muitas cidades abandonadas que fornecem uma lembrança das práticas de mineração do passado. O Chile venceu a disputa de terras, o que ainda é a causa de algum ressentimento em toda a fronteira hoje em dia.

O pico cônico do vulcão Lincancabur.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Márcio Cabral de Moura
A atividade vulcânica é extremamente perceptível nos Geysers del Tatio.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Mariano Mantel
Dois tipos de branco: o sal de Salar de Tara em frente aos picos nevados.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Mike Green

O deserto é em grande parte isolado, com apenas algumas pequenas cidades que pontilham a paisagem. Os visitantes podem chegar por via aérea ou terrestre na maior cidade da região - Calama - e a maioria vai para San Pedro de Atacama, de onde muitas excursões para a região podem ser organizadas. O isolamento do deserto e a falta de luz ambiente fazem dele um lugar especial para se estar quando a noite cai, oferecendo não apenas um pôr-do-sol espetacular, como também vistas incríveis das estrelas após o anoitecer. Trata-se de um dos melhores lugares do mundo para observar a Via Láctea, e é fácil participar de uma excursão de observação de estrelas que vai agradar a qualquer amante da astronomia.

Pôr-do-sol sobre as salinas.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de richd777
A deslumbrante vista da Via Láctea dominando o Deserto do Atacama.
A Beleza do Deserto do Atacama
Fonte: Flickr de Alessandro Caproni

Fonte das informações: traveladvisortips.com

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer: