header print

Piada: A passageira clandestina

O Editor: Anna Davidson
 

 Uma jovem, sem emprego e desprezada por seu namorado, vai para as docas do Rio de Janeiro para se afogar.

Ela veio do interiorzão, não tem nada, nem amigos, nem família, e só quer acabar com tudo.

Quando ela está prestes a pular, um belo e jovem marinheiro grita: "pare! Não faça isso !!"

Ela diz: "Não tenho nada neste mundo, posso acabar com tudo!"

Ele diz: "Escute, ouça. É um mundo podre, com certeza. Mas nunca termine o que o Senhor nos deu sem mudar tudo primeiro. Vou partir amanhã em um navio para a Europa. Conheço um dos estivadores." Vou encontrar um lugar para você clandestinamente, e podemos começar uma nova vida por lá. Vou fazer você feliz. Você vai me fazer feliz. Não precisa ser ruim. "

E ela concorda.

Naquela noite, eles se encontram na escuridão e ele a leva a bordo de um dos botes salva-vidas abaixo do convés.

Ele lhe traz um cobertor e um pouco de comida, e por três semanas eles se encontram assim. Toda noite ele traz para ela um sanduíche e eles conversam e fazem amor apaixonadamente até o amanhecer.

Mas...

 
Passageira clandestina

Após a terceira semana, o capitão está fazendo uma inspeção de rotina abaixo do convés, e ele ouve um farfalhar em um dos botes salva-vidas. Ele puxa a lona e a vê, tremendo de medo.

"O que você está fazendo aqui, moça?"

E ela responde: "Eu ... sou clandestina! Tenho um ... acordo com um dos marinheiros neste navio. Ele está me ajudando a chegar à Europa e deixa eu me esconder neste barco salva-vidas, contrabandeando comida ".

"E?" diz o capitão

"E ... bem. Ele me passa o ferro todas as noites."

E o capitão diz, "com certeza ele está ferrando você, moça. Esta é a barca Rio-Niterói!"

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade