header print

5 Das Batalhas Mais Épicas da História

 Se você é um aficionado por história ou se interessa pelas guerras do passado, então temos um presente para você! Isso porque abaixo você poderá ler sobre cinco das batalhas historicamente mais importantes que já existiram nesta terra, muitas das quais foram disputadas e vencidas pelos que tinham menos chances de ganhar. Então, sem mais delongas, vamos nos aprofundar:
 
1. A Batalha das Nações
batalhas épicas

A derrota de Napoleão em 1813 pelas forças aliadas em Leipzig é historicamente importante porque marcou a primeira cooperação significativa dos países europeus contra um inimigo comum. Apesar de sua derrota na Rússia, Napoleão estava confiante de que poderia retomar sua ofensiva, pois acreditava que os outros países europeus eram muito desconfiados uns dos outros para considerar unirem forças, razão pela qual ele começou seu avanço para a Alemanha no início de 1813.

Para grande desgosto de Napoleão, Karl von Metternich, o ministro das Relações Exteriores da Áustria, começou a montar uma coalizão de nações europeias contra ele, incluindo Rússia, Prússia, Grã-Bretanha, Suécia e alguns outros países. Isso, no entanto, não deteve Napoleão, e ele ainda cruzou a Alemanha, planejando derrotar cada exército inimigo antes que os "aliados" pudessem alcançá-lo.

Napoleão saiu vitorioso em várias das primeiras batalhas e até derrotou os prussianos em Lutzen, em 2 de maio. No entanto, seu novo exército estava longe de ser tão experiente quanto o que ele havia perdido na Rússia, e depois de uma série de derrotas e uma recusa em aceitar um acordo de paz, seu exército de 175.000 homens acabou em Leipzig em setembro, cercado por 350.000 soldados europeus e 1.500 peças de artilharia.

Depois de alguns dias de batalha, ficou claro que o exército de Napoleão não tinha chance de resistir a uma guerra de atrito, especialmente quando cercado por inimigos. As chances de uma vitória de Napoleão foram reduzidas ainda mais quando uma unidade de saxões abandonou os franceses para se juntar ao outro lado e o exército sueco apareceu para apoiar os Aliados.

Depois que a tentativa de Napoleão de estabelecer uma trégua foi recusada pelos Aliados, o exército francês recuou para o oeste, atravessando a ponte sobre o rio Elster, que era o único caminho de passagem. Cerca de 30.000 soldados serviram como retaguarda durante a travessia, a maioria dos quais ficaram presos quando a ponte foi destruída. Enquanto alguns deles conseguiram nadar para a segurança, a maioria deles foi capturada ou morta.

Depois de mais uma derrota esmagadora, o pior ainda não havia terminado para Napoleão, já que os aliados decidiram invadir a França em dezembro de 1813, antes de exilar Napoleão, depois de derrotar seu exército em Paris, em 30 de março de 1814. Isso não o convenceu a desistir, e é por isso que ele iria sofrer sua derrota final na Batalha de Waterloo em 18 de junho de 1815.

2. A vitória dos nativos americanos sobre os vikingsbatalhas épicas

Cristóvão Colombo não foi o primeiro invasor que os nativos americanos já haviam encontrado, visto que os colonos nórdicos já estavam lá cerca de cinco séculos antes, como provaram os arqueólogos e lendas nórdicas que falam de um lugar chamado "Vinland", que acabou por ser Canadá.

"Skraeling", que significa "fraco", era um insulto usado pelos vikings para descrever os nativos americanos. No entanto, logo descobriu-se que os nativos americanos estavam longe de serem fracos. Enquanto os vikings e os nativos americanos inicialmente viviam em paz juntos, as vastas diferenças culturais entre eles logo se descontrolaram e transformaram-se em conflitos.

Esses conflitos começaram com quatro nativos americanos e dois vikings sendo mortos. Depois disso, os nativos americanos ficaram muito bravos e usaram uma arma que lançava bastões, tinha uma grande bola azul no topo e emitia um som que os Vikings achavam insuportável. Pouco depois desse confronto, os vikings decidiram deixar essa terra estranha para sempre, pois, como documentado em A Saga de Eric, o Vermelho, eles logo "perceberam que, embora fosse uma boa terra, suas vidas aqui seriam sempre dominadas pela batalha e medo."

3. A Batalha do Lago Peipusbatalhas épicas

O início do século 13 foi um momento muito difícil para os russos, já que muitas nações continuaram a atacá-los, uma após a outra. Depois de se defenderem dos ataques tanto dos mongóis, quanto dos suecos, as tropas russas foram desesperadamente destruídas em 1242, exatamente quando as cruzadas cristãs decidiram aparecer à sua porta.

Os pertencentes às cruzadas alegavam que o cristianismo ortodoxo oriental dos russos era herético, e por isso enviaram alguns de seus cavaleiros mais fortes do ramo livônico da Ordem Teutônica, que estavam entre os cavaleiros mais elencos e com as armaduras mais pesadas do planeta na época.

A única oposição que a cruzada encontrou foi a turba da República de Novgorod, um dos últimos principados russos remanescentes que sobreviveram às invasões anteriores. O exército russo consistia apenas de alguns milicianos locais mal armados, dois príncipes e um punhado de guardas.

A "Batalha do Gelo" aconteceu em 5 de abril de 1242, nos campos congelados entre as partes sul e norte do Lago Peipus. O gelo não era plano, mas sim pontiagudo e irregular. Ao ver isso, a cruzada não foi dissuadida e decidiu atacá-lo de qualquer maneira, apesar de sua armadura ridiculamente pesada.

A cruzada acabou entrando em um combate corpo a corpo por horas a fio enquanto estavam sobre esta superfície escorregadia contra os milicianos locais, que estavam em segurança em uma "cabeça de praia" até que os invasores finalmente decidiram desistir. No entanto, este não foi o fim de suas desgraças, já que durante a retirada o gelo supostamente desmoronou embaixo deles, fazendo com que muitos deles se afogassem ou congelassem até a morte.

4. A Batalha de Isandlwanabatalhas épicas

Em 11 de dezembro de 1878, o Império Britânico deu um ultimato injusto ao Cetshwayo, o rei zulu africano, com a intenção de usá-lo para iniciar uma guerra. Quando a oferta terrível foi previsivelmente recusada pelo rei africano, os britânicos mobilizaram imediatamente um exército de 8.000 homens para a África.

A Batalha de Isandlwana foi a primeira grande batalha da Guerra Anglo-Zulu, ocorrida em 22 de janeiro de 1879, em Isandlwana, África do Sul. Os britânicos entraram na África do Sul com o melhor de tudo que qualquer exército já havia visto. Seus oponentes, por outro lado, lutavam com lanças de ferro, porretes, lanças de arremesso e escudos feitos de couro de vaca.

Aparentemente, a tecnologia superior do lado do Império Britânico os tornou extremamente confiantes. Na verdade, eles estavam totalmente despreparados para lidar com o estilo caótico de luta que os zulus adotaram. Isso levou a um cerco enorme e sangrento, que terminou com a pior derrota britânica contra um oponente tecnologicamente inferior.

Quanto aos vencedores, os zulus, conseguiram capturar cerca de 2.000 animais de carga, dois canhões, 130 vagões, 1.000 rifles, 400.000 cartuchos de munição, tendas, cerveja, biscoitos, comida enlatada, chá e muitas roupas.

5. A Batalha da Ponte Stirling​batalhas épicas

A Batalha da Ponte Stirling, travada em 11 de setembro de 1297, deveria ter sido uma caminhada no parque para a Inglaterra, particularmente porque os ingleses superavam em número os rivais escoceses em cinco para um. Enquanto os escoceses tinham apenas cerca de 2.000 soldados e 300 cavalos, o exército inglês tinha entre 8.000 e 10.000 soldados e entre 1.000 e 2.000 unidades de cavalaria.

O que tornava as probabilidades ainda piores para os escoceses era o fato de os ingleses possuírem um grande número de arcos longos, uma das armas mais temidas do mundo na época. Felizmente, os escoceses tinham o brilhante William Wallace ao seu lado, descrito na crônica Scotichronicon como "um homem alto com o corpo de um gigante".

Wallace estava dolorosamente ciente do fato de que esta não era uma luta justa, e que uma luta corpo a corpo iria arruiná-los. É por isso que ele elaborou o plano astuto de ficar em uma formação quadrada (para ajudar a evitar a maioria das flechas) e forçar o exército inglês a irem para uma armadilha - a estreita ponte de Stirling.

Como a ponte Stirling só era larga o suficiente para que apenas um par de unidades montadas atravessarem simultaneamente, os escoceses foram capazes de se alinhar na outra ponta e atacá-los um ou dois de cada vez. Deste modo, cerca de 50% do exército inglês foi abatido. Um desses abatimentos mais sangrentos foi o do tesoureiro inglês na Escócia, Hugh de Cressingham, que foi esfolado e transformado em roupa íntima após sua morte, em sinal de desrespeito.

 

Fonte: historyplacecracked

Imagens: depositphotoswikimedia

Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade
Registre-se Gratuitamente
Você quis dizer:
Clique aqui "Registre-se", para concordar com os Termos e a Política de Privacidade